Quem mediu com o seu punho as águas, e tomou a medida dos céus aos palmos, e recolheu em uma medida o pó da terra, e pesou os montes e os outeiros em balanças? (Is 40:12). 

Ao meditar nesse texto, senti-me impulsionado a compartilhar algo que veio ao meu coração. No meu íntimo choro com muitos que passam por lutas. Às vezes o pranto é por mim e minha família. No entanto, quando a Palavra de Deus alcança o recôndito da alma, experimentamos calmaria e gozo. É nesse sentido que quero lhe dizer algumas coisas neste dia: 

Ao considerar o texto em destaque, minha mente trabalhou febrilmente em várias direções. Pensei nas alegrias, nos momentos difíceis, no choro e na dor que já vivi. Pensei nas circunstâncias que muitas vezes parecem que vão me afogar no turbilhão das indagações e dos por quês, pensei, também, naquilo que ansiava e desejava para mim e minha família. Lembrei-me dos meus sonhos e dos trabalhos duros e difíceis. Lembrei-me das conquistas e olhei para o futuro. Futuro? Como será o futuro? Não será essa a preocupação de muita gente? Olho em volta e o meu lamento se junta aos meus irmãos em Cristo. Pessoas que  experimentaram grandes alegrias, mas que atravessam dores e problemas que aos seus próprios olhos são, muitas vezes, insolúveis. Elas se detêm nas dores e traumatizam suas emoções e se sentem perdidas e não conseguem visualizar um futuro de bênçãos. 

Você já experimentou ou experimenta esses sentimentos? Se, porventura, você faz parte do time quero que volte os seus olhos novamente para o texto. O que posso aprender com ele? Tudo se resume nisso: descanso! Coração pacificado! Espírito quieto e tranquilo. O Deus que é, e que sempre continuará sendo, é o mesmo que, pelo seu poder, fez o universo com trilhões e trilhões de estrelas e que pela Sua Palavra de virtude ordenou todas as coisas. É Ele que mede os céus aos palmos e pesa as montanhas em balança. É Ele que fala e tudo lhe obedece e, como diz o escritor aos Romanos, Ele chama à existência as coisas que não existem. 

Por que então posso experimentar o descanso? Porque Ele é o meu Deus e cuida de mim. Quando, no presente, enfrento lutas e problemas ou o coração se alegra, Ele está aí. Se estiver mirando o futuro, não me preocupo, Ele já está lá. Mesmo diante de coisas inexplicáveis, podemos confiar nesse Deus de quem o profeta testemunhou. Ele é a razão do nosso viver. Nele nos movemos e existimos e o mesmo profeta nos assegura que Ele trabalha em favor daquele que N’Ele espera (Is 64.4). Aleluia! 

Para refletir: Se experimentamos lutas ou adversidades, façamos um auto exame do nosso coração.  Como ele está? Abalado? Desanimado? Ou confiante e seguro no Senhor? 

N’Ele que nos toma pela mão e nos diz: não temas, porque eu sou contigo,

Pr. Natanael Goncalves