Na última devocional, vimos um Jonas correndo para Deus. Também nós, quando estamos sofrendo, porque fizemos nossas próprias escolhas em detrimento à vontade perfeita de Deus, fazemos o mesmo. Para Jonas, a corrida na direção de Deus pedindo ajuda exigia uma nova teologia e uma atitude transformada. Ele não poderia escapar da presença de Deus. Não havia lugar para onde correr, que Deus não estivesse lá esperando por ele.  Quando Jonas foi cuspido na praia, Deus estava pronto para retornar ao plano zero. O rebelde profeta se humilhou e começou a jornada para Nínive. Por um breve período  ele correu com o seu Senhor, e ao chegar na cidade, caminhou com passos largos pelas ruas, bradando condenação com clareza indiscutível: “Ainda quarenta dias, e Nínive será subvertida.” Lendo o relato do capítulo três, percebemos a poderosa atividade do Espírito de Deus na metrópole pagã. O povo foi conduzido ao arrependimento e, em resposta à confissão dele,  Deus mudou os planos. Isso é muito importante para nós. Deus é contra o pecado, mas é por nós.  Não podemos fugir de diante de Sua face de retidão e justiça. O julgamento do pecado é a separação de Deus, agora e para sempre. Mas, no momento em que voltamos para Ele, Ele nos recebe com graça e perdão. É um novo começo!

Jonas suspeitava dessa verdade o tempo todo. Agora, o corredor que correu com Deus tão eficazmente proclamando a Sua Palavra a Nínive, corria bem à frente d’Ele revoltado. Por que estava irado? Porque Deus, graciosamente, se arrependeu do julgamento. A batalha na área da vontade recomeçava novamente. O que Jonas menos desejava era que Nínive alcançasse perdão, pois tal arrependimento significava que ele teria de mudar de atitude para com seus inimigos. Vemos isso em Jonas 4.2: “Ah! Senhor, não foi isso o que eu disse, estando ainda na minha terra? Por isso me adiantei, fugindo para Társis, pois sabia que és Deus clemente, e misericordioso, tardio em irar-se e grande em benignidade, e que te arrependes do mal”.  Jonas desejava morrer porque não podia fazer com que Deus marchasse segundo o seu ritmo. Ele, desde antes, desejava fazer a sua própria vontade e não a de Deus. No entanto, o Senhor queria curar o coração turbulento de Jonas. A expressão de Deus a ele: “é razoável a tua ira?” é uma maneira bondosa de perguntar quem de fato tem o direito de ficar zangado.

O livro de Jonas termina abruptamente. O que aconteceu ao profeta? Não sabemos. Como gostaríamos que o livro terminasse? Bem, uma vez que temos traçado um paralelo entre nós e Jonas, talvez pudéssemos fazer essa pergunta a nós mesmos. Como desejamos que a nossa história termine? Esteja certo de que, numa batalha de vontades com Deus, a única maneira de ganhar é permitir que Ele vença. O segredo de uma vida abundante é entrar em linha direta com a Sua vontade perfeita, pois isso combina com a submissão total ao Senhor. E tem mais: esse é o propósito de Deus para todos os seus filhos e, quando assim o fazem, a vida pode ser terrivelmente simples, pois, todos os nossos cuidados, já não são mais nossos, mas d’Ele. 

Para refletir: No momento em que você sai fora da vontade perfeita do Senhor, você sabe, pois o Espírito Santo ministra ao seu coração. Diante disso, como você está vivendo? Andando dentro da vontade de Deus ou em caminhos paralelos? 

Em Cristo Jesus, 

Pr. Natanael Goncalves