plantio1 

Não erreis: Deus não se deixa escarnecer; porque tudo o que o homem semear, isso também ceifará.  Porque o que semeia na sua carne da carne ceifará a corrupção; mas o que semeia no Espírito do Espírito ceifará a vida eterna (Gálatas 6.7-8).

 

A ilustração que Paulo usa, tomada da agricultura, perde força em nosso meio porque a maioria de nós vive dentro das grandes cidades, longe desta realidade. Entretanto, a despeito disso, ela provê uma excelente instrução dos princípios que governam a vida espiritual. No texto de hoje podemos destacar pelo menos três verdades que são de extrema importância.

Em primeiro lugar, destacamos o princípio inviolável do cultivo da terra, ou seja, o que a pessoa planta no solo é o que colherá mais adiante. Nenhum agricultor semeia milho esperando que no dia da colheita, segará feijão. Se deitou na terra sementes de milho, colherá somente milho. Esta verdade governa também, de forma absoluta, a vida espiritual. O que semeamos é o que iremos colher. Se semearmos critica, desamor e coisas semelhantes, será precisamente isso que colheremos. Todavia, como povo de Deus, somos chamados para semear amor na terra do coração humano. Somos chamados para fazer o bem e abençoar o nosso semelhante. Em segundo lugar, o que se aprende com esta analogia é que nunca se colhe no momento em que se planta. É importante prestar atenção neste detalhe, porque é exatamente por isso que damos pouca importância às nossas ações. A pessoa que está acostumada a trabalhar na terra sabe que, por um período de tempo, não verá o fruto do seu trabalho. Da mesma maneira, quando semeamos na carne, não aparecerá um anjo para repreender-nos, nem cai um raio do céu sobre nós sinalizando um juízo de Deus. Tudo continua do mesmo modo e a vida segue em frente. Isto, entretanto, nos leva a abrigar o pensamento de que nossas ações não têm, absolutamente, nenhuma importância. Contudo, o agricultor quando semeia, não está pensando no presente, mas no futuro. Em terceiro e último lugar, destaco que a lei da semeadura pode produzir abundante colheita. Quando o lavrador semeia algumas sementes de milho, brotará naquele lugar, um pé de milho com várias espigas contendo centenas de grãos. O mesmo princípio se aplica na vida espiritual. O que semearmos, certamente colheremos, e isto poderá de ser de forma abundante. Portanto, no reino, o homem sábio entende que suas ações no dia de hoje, trazem consigo consequências para o amanhã e, por esta razão, é cuidadoso com o presente.

 

Para refletir: E não nos cansemos de fazer o bem, porque a seu tempo ceifaremos, se não houvermos desfalecido (Gálatas 6:9).

 

No amor de Cristo Jesus,

 

Pr. Natanael Gonçalves