E eu vos digo: entre os nascidos de mulher, ninguém é maior do que João; mas o menor no reino de Deus é maior do que ele (Lc 7.28).

Pare por instante e reflita sobre esta declaração de Jesus. Podemos estranhar as palavras escolhidas, principalmente quando nos lembramos da figura que nos é apresentada nos evangelhos. João, o batista, não é comparado com profetas de pouca estatura. Se pensarmos na lista dos notáveis, certamente lembramo-nos de Moisés, Isaías, Jeremias, Ezequiel, Daniel e outros. Esses homens produziram um profundo impacto na vida e na história de Israel. Agora, pense em João. Foi separado, desde a sua concepção para um trabalho específico. A partir de seu nascimento até o vermos às bordas do Jordão, algo em torno de trinta anos, nada sabemos. Completo anonimato! De repente, tomamos conhecimento do seu ministério ao chamar o povo para o arrependimento. Sua trajetória foi meteórica. Ao iniciar seu ofício de mensageiro do Senhor, multidões o acompanhavam. As figuras religiosas da época vinham de longe para indagar sua vida e mensagem. Formou seu próprio grupo de discípulos. No entanto, o ponto alto do seu ministério, culminou com a chegada do Messias que se juntou à grande massa que se batizava. Ao principiar o ministério do Ungido, a tarefa de João terminou. Pouco tempo depois foi preso e, logo, decapitado por ordem de Herodes. Seu ministério, segundo estudiosos, durou algo em torno de seis meses. Assim sendo, como Jesus pode dizer que João Batista foi o maior entre os profetas? O trabalho de Isaías e Jeremias, durou, pelo menos, quarenta anos. O labor do Batista é insignificante em comparação.

É justamente neste argumento, todavia, que vemos o conceito que prevalece entre nós. Em nossa cultura evangélica, a grandeza de um ministério se assenta em seu tamanho e extensão. No reino, contudo, a grandeza não se mede em termos de números, mas em termos de fidelidade. E, note algo importante: “a fidelidade consiste em fazer aquilo para que fomos chamados a fazer”.

Ninguém entendia isto melhor que João, o qual foi capaz de dizer aos seus discípulos: “Convém que Ele cresça e que eu diminua” (João 3:20).

Para refletir: Você foi chamado para realizar algo no reino de Deus. Alguns pensam na insignificância do seu trabalho e o comparam a outros grandes homens de Deus. Medite no texto de hoje e, por fim deixo uma paráfrase de Efésios 2:10 para você adicionar à sua reflexão: “Procuremos, pois, trabalhar nas boas obras que Ele preparou de antemão para que andássemos nelas”.

Que o Espírito de Deus ministre ao seu coração.

Pr. Natanael Gonçalves