FOGO

Porque estou certo de que nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as potestades, nem o presente, nem o porvir, nem a altura, nem a profundidade, nem alguma outra criatura nos poderá separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus, nosso Senhor! (Romanos 8:38) 

Quando passamos por situações adversas ou as coisas se põem extremamente difíceis, ou ainda a expectativa de solução rápida se frustra, sentimo-nos abatidos psicologicamente, emocionalmente, fisicamente e, porque não dizer, até mesmo, espiritualmente. Quem atravessa esse tipo de vale, se sente, muitas vezes, encorajado a seguir em frente ao ouvir as mensagens ensinadas e pregadas nas igrejas, as quais são sempre pontuadas com a ênfase na vitória, na conquista e no triunfo. Até mesmo, os cânticos são nessa direção. Todavia, poucas são as igrejas que pregam contra o pecado, que ensinam a fidelidade e que falam sobre santidade. Hoje, compartilho a experiência de alguém que conheço e que nos ajudará na trilha da compreensão. 

Um homem, na casa de seus quarenta anos, experimentou um grande período de conquistas na vida financeira e em outras áreas. Mas, como na vida há muitas  surpresas, o dia do êxito convergiu para uma curva descendente. Saboreou perdas e danos. Enfrentou dores e choros. Buscou soluções, mas não encontrou.  Disseram a ele que, possivelmente, haviam coisas que precisavam ser consertadas em sua vida com Deus. Ele me disse que sondou o seu coração, mas estava em paz com o Altíssimo. Possuía um relacionamento estreito com o Senhor, mas por que atravessava tal condição? Tudo isso ia de encontro com essa mensagem pregada e ensinada nestes últimos tempos. O que poderia ser feito? Essas questões rondavam o seu coração, quando alguém lhe disse que o problema da situação difícil, era devido a uma maldição de família. Usaram alguns textos bíblicos para convencê-lo e, num seminário de final de semana, com a força de palavras pronunciadas e orações realizadas, quebrou maldições na linha de seus antepassados até chegar aos seus dias atuais. O seminário acabou e ele voltou para casa. Havia esperança, mas com o passar do tempo, comprovou que os problemas continuaram e até certo ponto pioraram. E agora? O que acontecerá? Bem, essa história não terminou, mas ele me disse que assimilou muitas coisas e pôde provar o amor de Deus em sua vida. O que podemos aprender com essa experiência?

1)    Aprendo que não haverá permanente livramento da nossa ansiedade, enquanto não formos capazes de afirmar: “Mesmo se não der certo, como planejamos ou esperamos, alcançaremos vitória maior”. Estamos vivos para sempre! Nada nesta vida nos pode derrotar.

2)    Aprendo ainda que grande parte da fé de muitas pessoas depende de conseguirem que Deus realize certas coisas, das quais se consideram necessitados. Avaliam a sua fé pelas respostas às suas petições. Permanecem fiéis quando há um fluxo constante de milagres a favor deles, mas quando enfrentam reveses ou longos períodos de espera pelas respostas à oração, acham que alguma coisa está errada.

Nossa vida possui propósitos. Propósitos de Deus! Podemos enfrentar condições adversas, mas é preciso saber: O Senhor está trabalhando e nunca nos abandonará. Antes que você termine de ler essa devocional, volte os olhos para o texto acima. Leu? Como é bom constatar que não importam as circunstâncias, nada poderá nos separar do amor de Deus. Bem, hoje, fico por aqui, mas não acabei. Continuo na próxima  meditação. Não perca! 

Para refletir: Existe algo que você pede ao Senhor há longo tempo, mas ainda não recebeu? Está enfrentando uma situação difícil que perdura por meses ou anos? Sua fé é firme no Senhor e na Sua Palavra? 

N’Ele que nos diz que todas as coisas cooperam para o nosso bem, 

Pr. Natanael Goncalves