acusadorEm tudo, te dá por exemplo de boas obras; na doutrina, mostra incorrupção,  gravidade, sinceridade, linguagem sã  e irrepreensível, para que o adversário se envergonhe, não tendo nenhum mal que dizer de nós (Tito 2:7-8). 

O livro de Jó nos mostra uma imagem vívida de um encontro entre Deus e Satanás. Neste encontro, Satanás intenta convencer ao Senhor de que a aparente fidelidade de Jó, não é mais que o resultado previsível da abundância e prosperidade em que vivia. Sugere, então, que lhe seja tirada toda essa riqueza e, logo, deixará de caminhar em retidão diante do Altíssimo. Por trás desta sugestão, vemos um desejo, por parte de Satanás, de encontrar algo na vida de Jó que lhe sirva para realizar uma das suas atividades: acusar os santos de Deus. Segundo o registro de Apocalipses 12:10, esta é uma atividade em que o nosso opositor não conhece o descanso, pois afirma a Palavra, que ele acusa os santos diante do nosso Deus, dia e noite (expressão que denota uma forma contínua). Saber isto, nos ajuda a entender a profundidade espiritual da exortação de Paulo a Tito. Aqui não se trata de uma sugestão, mas sim, de não dar ocasião e nem ser participante involuntário de nenhuma de suas imundas estratégias para estorvar a obra de Deus. A maneira de alcançar isto, segundo a exortação do apóstolo, é vivendo de tal forma que o inimigo não tenha do que servir-se na vida do filho de Deus. Em outras palavras, por mais que examine nossa vida, cuidadosamente, não poderá encontrar elemento algum que lhe sirva para acusar-nos diante do nosso Pai Celestial.

Este objetivo, necessariamente, nos conduz ao plano do comportamento, deixando de lado a ideia, tão comum, de que a verdade se define por meio de elaborados exercícios intelectuais. Na visão de Paulo, a verdade se proclama com a vida. O inimigo não examina nossa doutrina, para ver se encontra nela contradições teológicas ou falta de evidências bíblicas. O inimigo, observa nosso andar cotidiano. Nos vê quando estamos reunidos em família. Nos observa quando andamos pela rua. Nos estuda quando estamos no trabalho. Nos escuta quando falamos. Nos analisa quando estamos reunidos e quando estamos a sós. Em tudo, ele tem uma só meta: encontrar aquelas coisas que desonram ao Senhor, para apresentar-se diante de seu trono com a evidência de nossa condição indigna. Contudo, devemos animar-nos ao lembrarmos que, frente às acusações insistentes do inimigo, temos um advogado junto ao Pai: Jesus! (I Jo 2:1). Ele intercede por nós e defende nossa causa; bendito seja o Seu Nome! Não obstante, vemos na passagem de hoje, um chamado muito sério a viver em santidade. Paulo nos exorta a andar de tal maneira, que o inimigo não tenha outro recurso, senão mentir a nosso respeito. Nossas vidas devem proclamar que estamos comprometidos, sem reservas, com Aquele que nos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz. Que tremendo desafio! 

Para refletir: Charles Spurgeon disse: “A santidade é a face visível da salvação.” Você tem vivido na busca da santidade a cada dia? Sua vida, suas obras e seu linguajar  dão testemunho da sua relação com Deus? 

N’Ele, cujo desejo, é transformar-nos à imagem de seu Filho, 

Pr. Natanael Goncalves