ataque

Então, lhe disse o SENHOR: Por que andas irado, e por que descaiu o teu semblante? Se procederes bem, não é certo que serás aceito? Se, todavia, procederes mal, eis que o pecado jaz à porta; o seu desejo será contra ti, mas a ti cumpre dominá-lo (Gênesis 4:6-7). 

É admirável ver nas Escrituras os ensinamentos de Deus para seus filhos. Ele escolhe um modo simples e singelo para que as pessoas possam entender a verdade apresentada. A realidade é que, não somente elas devem entender, mas  sobretudo, devem guardar em seus corações a lição recebida. Nos versos de hoje da nossa meditação, o Senhor usa uma dramática analogia da vida real para comunicar a Caim um princípio eterno da vida espiritual.

Caim e Abel eram pessoas acostumadas a vida do campo, um como lavrador e outro como pastor de ovelhas. Não duvidamos que enfrentaram, muitas vezes, as feras que buscavam atacar ou devorar os animais do rebanho. O Senhor tomou, desta experiência, uma ilustração que ajudaria Caim a entender a dinâmica pela qual o pecado se torna forte em nossas vidas.

Quando escolhemos fazer o que não é correto, ou viver de modo contrário à Palavra de Deus, optamos por um estilo de vida que acarreta-nos certas consequências. Quem anda por maus caminhos, atrai a maldade. Dirigindo-se a Caim, Deus escolheu a frase “o pecado jaz à porta.” A palavra “jaz” poderia traduzir-se por “estar agachado” e descreve, com perfeição, a postura de um animal de caça que estuda intensamente a sua vítima para dar o dramático salto que o porá sobre domínio total de sua presa. Penso que já vimos, muitas vezes, essa imagem em documentários na figura de um leão que, escondido nos arbustos, espreita e se acerca de sua vítima que nada suspeita de sua presença. Do mesmo modo, quem anda no que é mau, é “escolhido” pelo pecado como uma presa segura.

A vítima possui todas as características  que a fazem atrativa ao inimigo.  Por esta razão, o Senhor usou o termo “seu desejo.” Contrário aos mitos populares, os animais de caça nem sempre agarram as vítimas que escolhem. Os Leões, por exemplo, perdem mais de cinquenta por cento de suas escolhas. Devido a isto, é parte da estratégia do leão buscar os animais mais débeis e desprovidos de proteção. Quem anda cortejando o que é mau, debilita suas defesas espirituais e se abre aos ataques surpresa do pecado que, facilmente, se instalará em sua vida. Continuando com a analogia, o Senhor insta a Caim a que domine o animal que está por atacar. Em outras palavras, vendo sua postura agachada, devia tomar a iniciativa e atacar antes de ser atacado. Nisto, vemos uma segunda lição importante a respeito do pecado. É nossa responsabilidade não permitir que se faça forte em nosso interior. Ninguém pode fazer isto por nós! Devemos resistir a suas artimanhas e opor-se à sua presença, antes que suas garras afiadas possam arranhar-nos. Uma postura de permanente vigilância é indispensável para resistir ao pecado.

Para refletir: Mateus 26.41: “Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; o espírito, na verdade, está pronto, mas a carne é fraca”.

Em Cristo, que nos anima e nos fortalece a cada dia,

 

Pr. Natanael Goncalves