fidelidade

Tão somente, pois, temei ao SENHOR e servi-o fielmente de todo o vosso coração; pois vede quão grandiosas coisas vos fez (1 Samuel 12:24).

Quando falamos sobre fidelidade muita gente não tem ideia da força desta palavra. A base de qualquer relacionamento é a fidelidade. Isso se expressa em verdade e deve fazer parte do caráter de cada um de nós. Não obstante, o relacionamento que quero destacar aqui é o relacionamento com Deus. Cristianismo não é uma religião. É muito mais do que isso. É relacionamento! Sim, é uma via de duas mãos por onde trafega o amor de Deus, posto que o homem foi criado com o objetivo de ter comunhão e amizade partilhada com aquele que fez os céus e a terra. Você pode afirmar ser um cristão, mas faça um exame introspectivo e avalie a sua fidelidade ao Senhor. Dentro desse contexto, a história dos mártires do século XVI apresentam um quadro quase inacreditável. Eles foram torturados e assassinados por terem colocado sua fé somente em Jesus. Veja este breve trecho de uma carta que a esposa de Habs Van Nunstdorp escreveu de uma prisão na Holanda, enquanto aguardava sua execução, para sua filhinha que acabara de dar à luz.

“Que o verdadeiro amor de Deus e a sabedoria do Pai te fortaleçam na virtude, minha queridíssima filha… Eu te entrego ao Todo-Poderoso, Grande e Terrível Deus, pois somente ele é sábio para te guardar e te deixar crescer em Seu amor… tu que és tão jovem e a quem devo deixar aqui neste mundo mau e perverso… Uma vez que tu és agora privada de pai e mãe, eu te entrego ao Senhor; deixe que Ele faça na tua vida a Sua santa vontade…Minha querida ovelhinha, eu estou aprisionada… não posso te ajudar de modo algum; tive de abandonar o teu pai por amor ao Senhor… nós fomos presos… e eles o afastaram de mim… E agora que eu… te guardei dentro do meu coração, com grande tristeza durante nove meses, e te dei à luz aqui na prisão, com muitas dores, eles te tomaram de mim… agora que estou sendo entregue à morte, e devo te deixar sozinha aqui, através destas linhas devo levar-te à lembrança de que quando estiveres obtido consciência, te empenhes em temer a Deus e examinar porque e por cujo nome ambos morremos e não te envergonhes… de nós; é a maneira como os profetas se foram e o caminho estreito que conduz à vida eterna.”

Você pode imaginar-se no lugar dessa mãe ou desse pai? Diante de tal testemunho, que diremos?

Para refletir: Como cristão, quais são as suas prioridades de vida? O evangelho pregado em nossos dias põe no centro o homem e suas necessidades. Será que “esse evangelho” pode operar fidelidade? A verdadeira mensagem de boas novas, no entanto, destaca a pessoa de Jesus e ensina que cada seguidor deve, a cada dia, tomar a sua própria cruz. Esse é o evangelho que opera fidelidade nos corações.

N’Ele que é fiel,

Pr. Natanael Goncalves