“pois dizes: Estou rico e abastado e não preciso de coisa alguma, e nem sabes que tu és infeliz, sim, miserável, pobre, cego e nu” (Apocalipse 3:17).

Se fizermos um exercício para sabermos qual era o problema da igreja de Laodicéia, podemos chegar a várias conclusões. Podemos pensar que a igreja sofria de falta de compromisso ou de uma forma de egoísmo, ou quem sabe, de individualismo. Poderíamos até acrescentar que o problema principal daquela igreja era o orgulho e a soberba. Penso que tudo isso pode oferecer uma possível explicação para a forte condenação recebida da parte do Senhor. Entretanto, ao analisarmos o texto de hoje, chegamos à conclusão que nenhum destes problemas faziam parte da questão fundamental que afetava a igreja. A chave está no versículo que hoje meditamos e aparece nos termos “nem sabes” ou, como em outras versões, “não sabes”. Tomando esse texto como exemplo, podemos inferir que o verdadeiro obstáculo ao nosso crescimento espiritual, é não poder discernir. Como se pode tratar de uma enfermidade se a pessoa não sabe da sua existência? Como podemos sanar um problema se não temos a consciência da sua realidade? A verdadeira dimensão do problema da igreja de Laodicéia estava no desconhecimento de que existia uma situação que necessitava ser tratada. Esta questão é crucial para cada um de nós. O problema é que muitas vezes assumimos posturas religiosas e nos distanciamos do Senhor. No entanto, se mantivermos um coração disposto e humilde para com Deus, certamente o Espírito Santo que esquadrinha e examina o mais íntimo do nosso ser, falará conosco. Desta forma poderemos tratar do problema aplicando o remédio necessário, o que, invariavelmente, é a confissão do pecado precedido de arrependimento e um forte desejo de correção de rota.

Como cristão, é importante que você separe um tempo regularmente para que o Senhor ministre ao seu coração. Ouça a voz de Deus! Somente o veredito d’Ele acerca de sua real condição espiritual poderá trazer à luz o seu verdadeiro estado. Nossa atitude de humildade diante do Altíssimo deve ser acompanhada de um total despojamento de todo preconceito, bem como da prontidão em ouvir o que Ele tem a dizer. Agora, vou avisando: pode ser que você se surpreenda. Note a dramática diferença entre a avaliação da igreja de Laodicéia e a de Cristo. Eles diziam que eram ricos. Cristo dizia que eram pobres, cegos e nus. É possível que esta assustadora diferença exista em nossas vidas. Será que estamos dispostos a submeter os nossos corações para que Deus o avalie? Será que estamos dispostos a rever o nosso modo de crer? Será que estamos dispostos a passar pelo crivo da Palavra de Deus e ponderar teologias e conceitos aprendidos, mas nunca examinados?

Para refletir: Quando Jesus ordena a João que escreva ao anjo da igreja de Laodicéia, Ele se refere ao pastor daquela igreja. Que tipo de mensagem ou que tipo de teologia estava o pastor ensinando à igreja, cujo resultado embotou os sentidos deles? Pense na afirmação positiva que eles faziam, mas que Jesus reprovou totalmente.

 N’Ele que sonda e conhece o mais íntimo do coração humano,

Pr. Natanael Goncalves