pai-filho

Imitação

Quando Marcos entrou na sala, sua presença falou de sucesso. O menino da escola era tudo o que se podia esperar. Porte atlético, capitão da equipe campeã de futebol. Era bonito e inteligente. Era músico e ocupava um lugar de destaque na principal Orquestra Jovem do Estado. Possuidor das melhores notas da escola, poderia dizer que era brilhante. Marcos, na linguagem popular, era “O Cara!”

Maurício não era nada disso. Não era um desportista e, de vez em quando, passava por situações embaraçosas. Outro dia, na frente de toda a sala, quando foi apresentar uma lição, tropeçou em seus próprios sapatos. Era um desengonçado. Na Banda da Escola, quando deixou, pela última vez, cair o seu instrumento foi convidado pelo regente a se retirar. Ele não se mostrava inteligente e só faltava ser reprovado. Todavia, em vez de aceitar como ele era, seguia tentando imitar Marcos. Isto pode, até certo ponto, ter um lado positivo, mas é bom que saibamos que as pessoas, na sua grande maioria,  depreciam-se a si mesmas. Não se valorizam e se acham as piores do planeta. No entanto, a mensagem é: Você é diferente de todos neste mundo. Deus te fez único e quer que você permaneça diferente. Desse conceito depreendemos algumas verdades:

Você é maravilhoso (a) como Deus te fez.

Você não tem que ser outra pessoa.

Você não deve se comparar a ninguém.

Admitamos: Quando nos comparamos com os outros, desejamos saber se estamos melhor, igual ou pior que eles. Se a comparação acaba bem, então ficamos eufóricos. Se você não é linda, inteligente, rica ou atlética como a outra pessoa, então você fica deprimido (a). O problema da comparação é que usamos a medida errada: nosso parâmetro são as outras pessoas. Necessitamos compreender que cada pessoa é diferente. Se encontrarmos alguém que achamos ser melhor ou pior que nós, ao comparar-nos sentiremos orgulho ou frustração. Todavia, há alguém que devemos mirar e nos espelhar para sermos como Ele: O Senhor Jesus! Deus não quer que você copie a imagem de ninguém, exceto a de Jesus. Não é a imitação daquela figura que conhecemos das pinturas, quando nos mostram como ele se vestia ou como usava os cabelos. Não! Deus quer que cada um de seus filhos desenvolva o caráter de Cristo. Ele é santo, justo, fiel, compassivo, terno e misericordioso. Essas são algumas das facetas do caráter de Jesus. Quando você lê o texto de Romanos 8.28: Todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam e temem a Deus”, aí tem algo especial. Deus usa as circunstâncias para trabalhar em nós. Este é o objetivo: Tornar-nos pessoas parecidas com o Seu Filho. Muita gente fica somente no verso 28 pensando que tudo o que lhes acontece é para o propósito de bênçãos materiais. Se perderam algo, logo interpretam que aquilo será transformado em dobro ou triplo. Essas pessoas se esqueceram de ler o verso seguinte, o 29: Porque os que dantes conheceu, também os predestinou  para serem conformes à imagem de seu Filho, a fim de que ele seja o primogênito entre muitos irmãos.”  Esse é o alvo de Deus para cada um de seus filhos. Medite nisso!

Para refletir: Como cristão, você poderia dizer: Tenho o caráter de Jesus? Tenho permitido que o Espírito Santo desenvolva isso em minha vida? Lembre-se que uma das ferramentas de Deus são as circunstâncias. 

N’Ele que opera na vida de todos os seus filhos, 

Pr. Natanael Goncalves