E contra quem se indignou por quarenta anos? Não foi contra os que pecaram, cujos cadáveres caíram no deserto? E contra quem jurou que não entrariam no seu descanso, senão contra os que foram desobedientes? Vemos, pois, que não puderam entrar por causa da incredulidade (Hebreus 3.17-19).

O que é incredulidade? Qual a melhor definição para esse termo? Seria porventura falta de fé? Penso que a maioria das pessoas entende por incredulidade a absoluta falta de fé. A Bíblia nos diz que sem fé é impossível agradarmos a Deus (Hb 11.6). A estrada pela qual transita os milagres de Deus é a estrada da fé. Entretanto, ao fazermos essa observação, temos que retornar ao tema da incredulidade. Para melhor entendermos o conceito de incredulidade, temos que voltar para a Palavra de Deus que nos ensina que a fé vem pelo ouvir e o ouvir da Palavra de Deus (Rm 10.17). Portanto se a fé vem pelo ouvir da Palavra, da mesma forma a incredulidade se instala por informações, conceitos e valores que não vêm de Deus.

Quando Adão e sua mulher pecaram, ao ouvirem a voz de Deus no jardim, esconderam-se. Deus chama por Adão: Onde estás? A resposta vem a seguir: – Ouvi a tua voz soar no jardim, e temi, porque estava nu, e escondi-me. E disse Deus: Quem te mostrou que estavas nu?… (Gn 3.10,11a). Em outras palavras: Quem te fez saber que estavas nu? Quem colocou uma informação no teu coração que eu não coloquei? Note o seguinte: Adão e Eva comeram do fruto do conhecimento do bem e do mal e, como consequência dessa desobediência, a realidade do mal se instala e o confronto com a Palavra de Deus é estabelecido. Depois do pecado o homem não dá ouvidos a Deus, mas dirige a sua vida pelos seus sentidos físicos, pelos seus conceitos e valores mundanos. Um exemplo clássico é o caso dos espias que foram enviados por Josué para ver a terra que Deus prometera. O Senhor havia dito que lhes daria uma terra que mana leite e mel e os levaria à conquista e posse dessa terra prometida. Note que o registro bíblico nos informa que eles observaram a terra e os seus moradores e, ao fazerem isso, mudaram os seus corações. Em vez de se alegrarem com a bênção da promessa, seus corações foram tomados pelo medo e terror. Ao verem os homens que habitavam aquela terra, avaliaram a si mesmos como gafanhotos diante deles (Nm 13 e 14). Por fim, o texto de Hebreus nos afirma que não puderam entrar por causa da sua incredulidade (Hb 3:19). Dos doze espias, somente dois permaneceram fieis a Deus: Josué e Calebe. Estes, passados mais de quarenta anos, entram na posse da promessa. Agora pense comigo: Qual a razão da mudança na mente dos espias e do povo de Israel? Eles se fundamentaram na informação e no conceito que receberam ao espiarem a terra, o quais, absolutamente, não vieram da parte de Deus. Se lastrearam na lógica e na razão, cuja atitude resultou no estabelecimento da incredulidade. Diante de fatos como esse, dos quais a Escritura faz diversas menções, podemos concluir que a incredulidade é uma forma de crer diferente, baseada em conceitos e valores que não procedem de Deus.

Ao abordar sobre a fé, quero dizer que muitas pessoas falam palavras de fé, mas elas não estão cheias de fé. Muitas delas pensam que a fé vem por falar a Palavra de Deus. Não! A fé vem pelo OUVIR a Palavra de Deus. Mas o espírito da fé é também falar. Se você crê naquilo que a Palavra de Deus diz, as circunstâncias não o influenciarão, independente do tamanho do problema, você seguirá confiando naquilo que Deus lhe prometeu através da Sua Palavra. Então, só então, declaramos, como o apóstolo Paulo afirma: CRI, POR ISSO FALEI!

Para refletir: Você é uma pessoa fé? Você crê na Palavra de Deus e duvida das circunstâncias ou crê nas circunstâncias e duvida da Palavra?

N’Ele cuja palavra, jamais cairá,

Pr. Natanael Goncalves