muitooupouco

Tudo posso naquele que me fortalece (Filipenses 4:13). 

Não há dúvidas de que este versículo apresenta um princípio geral da vida espiritual, contudo, chega a ser mais interessante pensar no significado que ele carrega dentro do contexto que estava escrevendo o apóstolo Paulo. O tema abordado pelo autor neste seguimento do  capítulo 4 é precisamente a resposta do cristão frente a diferentes situações econômicas.

A igreja de Filipos havia enviado ao apóstolo uma oferta e essa ação produziu eu seu coração uma grande alegria. Paulo esclarece, imediatamente,  que sua alegria não era tanto pela oferta em si, mas pela oportunidade dos filipenses frutificarem. No que se referia a ele, declara que sua alegria diante da oferta não era porque tinha escassez, pois aprendera a contentar-se em toda e qualquer situação. Disse que sabia viver de forma humilde como ter em abundância e, em tudo e por tudo, havia aprendido a estar saciado como a padecer fome (Fp 4:11-12). E logo acrescenta: “Tudo posso naquele que me fortalece”(Fp 4:13).  

Tomemos nota deste contexto. Há muitos desafios que o discípulo de Cristo enfrenta, e é preciso saber que se requer um especial compromisso com Deus para passar por eles de forma vitoriosa. De todos eles, penso, que nenhum põe o cristão frente a um perigo tão grande, como o tema do dinheiro. Em outra carta, Paulo havia declarado categoricamente: “porque a raiz de todos os males é o amor ao dinheiro; e alguns, nessa cobiça, se desviaram da fé e a si mesmos se atormentaram com muitas dores”(1 Tm 6:10). Posso afirmar que não tenho encontrado algo que possua maior capacidade para roubar o coração do filho de Deus do que os assuntos relacionados ao dinheiro. O que Paulo, precisamente, destaca na passagem de hoje? O fato de viver em abundância como também na escassez. A abundância traz consigo o particular desafio de não ceder diante da soberba que é produzida pelas riquezas, confiando mais nos tesouros deste mundo que no Senhor. A pobreza, por outro lado, pode levar  muitos a crer que o dinheiro é a solução para todos os problemas da vida. O pobre que é acossado pela sua necessidade, pode chegar a ficar obcecado por dinheiro.

O apóstolo Paulo diz aos filipenses que ele havia aprendido a viver com contentamento. Isto significava que havia uma particular disposição para sempre  dar graças pelo que havia recebido, sem, contudo, fixar-se no que faltava. Isso representa uma profunda convicção de que tudo o que temos, seja pouco ou muito, provém da mão de um Deus amoroso que não tem nenhuma obrigação de dar-nos nada. Tudo, em última instância, é um presente. É desse modo que Paulo vivia e experimentava a felicidade. 

Para refletir: Senhor…       afasta de mim a falsidade e a mentira; não me dês nem a pobreza nem a riqueza; dá-me o pão que me for necessário; para não suceder que, estando eu farto, te negue e diga: Quem é o SENHOR? Ou que, empobrecido, venha a furtar e profane o nome de Deus (Provérbios 30.8-9). 

Em Cristo, cujas riquezas são insondáveis,

Pr. Natanael Goncalves