Disse o SENHOR a Samuel: Até quando terás pena de Saul, havendo-o eu rejeitado, para que não reine sobre Israel? Enche um chifre de azeite e vem; enviar-te-ei a Jessé, o belemita; porque, dentre os seus filhos, me provi de um rei (1 Samuel 16:1).

Uma das coisas mais difíceis de superar são as derrotas e desilusões do passado. Essas desilusões podem ser concernente a diversas situações vivenciadas por termos assumido posturas erradas ou por gerenciarmos um problema de forma incorreta. O tempo demonstrou que a decisão foi errada e estamos pagando um alto preço por isso. Hoje vemos claramente as consequências que se manifestam em reprovações e tensões que afetam a nossa vida como um todo. Seja nos relacionamentos, igreja ou até mesmo em nossa vida profissional e financeira. O fato é que nossa desilusão poderia ser atribuída a um número sem fim de  motivos.  A vida raramente se ajusta às nossas expectativas. As coisas não são tão simples como esperávamos e a frustração é uma frequente companheira. O processo de maturidade consiste em descobrir que isto é parte da realidade com a qual temos que conviver diariamente.

Para muitas pessoas, não obstante, as desilusões e os dissabores da vida podem converter-se em obstáculos mais difíceis de superar que os problemas que produziram estes sentimentos. Presos por estas fortes emoções, podemos seguir a vida de lamento em lamento por aquilo que passamos. Uma frase que frequentemente se escuta nesta situação é: “se tão somente houvera feito isso ou aquilo…”. Armados com este pensamento, voltamos uma e outra vez a situações do passado, imaginando como seriam as coisas se houvéssemos atuado de outro modo.

Observe a pergunta que Deus faz a Samuel: “Até quando terás pena?” O termo “pena” no original é lamento. Deste modo lemos assim: “até quando lamentarás?” O lamento é pouco produtivo porque não se pode mudar ou transformar o passado. Somente podemos aprender as lições necessárias para não cometer os mesmos erros no futuro. Enquanto Samuel seguia lamentando, o Senhor avançava para a próxima etapa em seus projetos: “… dentre os seus filhos me provi de um rei.” Seu olhar já estava posto sobre outro homem e os planos que ia realizar através da vida deste jovem.

Nas instruções do Senhor a Samuel há um desejo de mobilizar uma vez mais o profeta e de livrá-lo da melancolia em que havia caído. O fato é que há um só caminho que podemos recorrer e esse caminho está à nossa frente. Não devemos perder mais tempo do que o necessário meditando nas derrotas do passado. Quando houvermos aprendido as lições necessárias da experiência, podemos dar as costas ao passado e avançar com passo firme para o futuro. A vida está à frente! 

Para refletir: Não olhe para o retrovisor! Veja a instrução da Palavra:  Irmãos, quanto a mim, não julgo havê-lo alcançado; mas uma coisa faço: esquecendo-me das coisas que para trás ficam e avançando para as que diante de mim estão, prossigo para o alvo… (Fp 3:13-14a). 

N’Ele que que nos chamou para seguir em frente com os olhos fixos em Jesus, 

Pr. Natanael Goncalves