Vós sois o sal da terra; e, se o sal for insípido, com que se há de salgar? Para nada mais presta, senão para se lançar fora e ser pisado pelos homens (Mateus 5:13). 

Jesus, como em outras ocasiões, escolheu um elemento comum na  vida dos israelitas para ilustrar a influência que o discípulo deve exercer sobre o mundo. O sal, na antiga Palestina, possuía duas funções principais. Era usado para dar sabor à comida e igualmente para conservar a carne. Também sabemos que era habitual em algumas cerimônias religiosas, atribuindo-lhe um significado purificador.

Jesus comparou a função dos discípulos no mundo com o sal. Em primeiro lugar, devemos notar que o sal é inteiramente diferente da comida e mantem seu sabor distinto ao ser adicionado nos alimentos. Ele não adquire o gosto da comida quando é adicionado à mesma, mas o alimento, esse sim, alcança sabor pela presença do sal. Da mesma sorte, um discípulo de Cristo deve possuir uma vida diferente das pessoas ao seu redor. Quando participa de atividades e eventos nos quais mantem contato com as pessoas do mundo, o cristão deve, claramente, contagiar a outros com seus princípios e conduta. De modo algum, o discípulo deve adquirir o sabor do mundo.  Em segundo lugar, a influência do sal na comida, se dá, simplesmente, por sua presença nela. Quando adicionamos o sal nos alimentos, ele não reage de maneira particular para produzir um gosto salgado. O sabor se deve ao fato de que o sal está presente na comida. Do mesmo modo, um cristão não se dedica a realizar atividades especiais com o fim de “salgar” àqueles que estão ao seu redor. A ação de salgar não se programa previamente, ao contrário, isso se dá  como resultado de um estilo de vida, cuja ação é permanente, porém não deliberada. Em terceiro lugar, devemos notar que o sal é mais efetivo quando usado em medida certa. Se empregado em demasia, não se poderá comer o alimento. Da mesma forma, a presença do crente no mundo, se torna mais efetiva, quando seu testemunho é produzido de modo natural e espontâneo, como parte de sua experiência cotidiana. Por último, o sal se utilizava para conservar a carne ou por outra, para evitar o processo de decomposição. A presença da igreja na sociedade deve ser um fator preponderante para preservar o homem da podridão natural que o pecado produz. Onde estão os filhos de Deus, a ação redentora do Senhor está presente. 

Para refletir: O sal, se deixar de cumprir a sua função, deixa de ser útil. Segundo o Senhor, para nada mais presta. Deve ser descartado. Como cristão, você leva essa afirmação a sério? 

Em Cristo, que nos chamou para fazermos a diferença neste mundo, 

Pr. Natanael Gonçalves