Bartimeu 

E, ouvindo que era Jesus de Nazaré, começou a clamar e a dizer: Jesus, Filho de Davi, tem misericórdia de mim! E muitos o repreendiam, para que se calasse; mas ele clamava cada vez mais: Filho de Davi, tem misericórdia de mim! (Marcos 10:47-48).

Bartimeu estava acostumado ao que se passava nas ruas e lugares públicos da cidade, uma vez que ali, na sua condição de cego, se assentava a mendigar todos os dias. As pessoas o conheciam, porque estava sempre no mesmo lugar. Soube da existência de um tal Jesus de Nazareth e se inteirou dos incríveis relatos que se contavam a respeito deste profeta que havia surgido em Israel. O texto de Marcos a respeito deste incidente nos dá um exemplo de valor no reino: o de ser obstinado! A história de Bartimeu revela-nos que, para se alcançar mudanças em nossas vidas, temos que estar insatisfeitos com o que temos.  Não há dúvidas de que este sentimento pode ser o começo de algo  novo. Não obstante, quero ressaltar que nem toda insatisfação leva à busca de algo melhor. Em muitas pessoas a insatisfação é um estado permanente que somente lhes serve para que vivam amarguradas e ressentidas. A chave neste tema é o grau de insatisfação que sentimos. Já ouvi várias pessoas dizerem: “não estou bem, mas já me acostumei a isso”. Como os israelitas no Egito, estão dentro de um poço de resignação e sem nenhuma esperança. Bartimeu nos mostra uma segunda verdade. Para se alcançar uma mudança na vida, é necessário que tenhamos uma convicção bem firmada de que Jesus tem o que buscamos. Imagino que a sua condição de descapacitado o favorecia. Estava completamente perdido na vida, pois a falta de visão lhe havia privado do mais elementar. Se via obrigado a mendigar e a depender dos demais. Não tinha muito a perder, pois já havia perdido, praticamente, tudo. De todos os modos, Bartimeu cria, por tudo que havia ouvido, que Jesus podia resolver a sua situação. Estava disposto a buscar d’Ele aquilo que necessitava, ainda que se necessário fosse, a gritos. Em terceiro lugar Bartimeu nos mostra que, para alcançarmos uma mudança, temos que estar dispostos a cerrar os ouvidos àqueles que nos querem desanimar. Ao começar a gritar, muitos dos que estavam ao seu redor o repreenderam  dizendo que se calasse. Em demasiadas ocasiões da nossa vida temos permitido que outros nos intimidem. Em diversos momentos os nossos próprios temores nos bloqueiam. Não nos animamos em fazer um papel ridículo e nem passar por situações de vergonha a fim de alcançar o que estamos buscando. Nos preocupamos com o  “que dirão” sobre nós. Atemorizados, apenas olhamos de longe, desejando no mais secreto do nosso coração o que Deus nos oferece, sem contudo, querer pagar o preço para tomá-lo. Bartimeu estava desesperado e, isso o levou a pedir a plenos pulmões que Jesus o curasse. O Senhor o ouviu e lhe devolveu a vista, demonstrando assim, que muitas bênçãos no reino, são dos atrevidos.

 

Para refletir: Quanta paixão há em suas orações? Você tem convicção de que, realmente, você não pode viver sem essa bênção que pede a Deus? Você está disposto a sofrer humilhação pela bênção que busca? Pare por um momento, leia todo o texto referente a história de Bartimeu e aprenda porque o Espírito Santo deixou esse registro para nós.

No amor de Cristo Jesus,

Pr. Natanael Gonçalves