Irmãos, quanto a mim, não julgo que o haja alcançado; mas uma coisa faço, e é que, esquecendo-me das coisas que atrás ficam e avançando para as que estão diante de mim,  prossigo para o alvo, pelo prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus ( Filipenses 3:13-14). 

Em nossa meditação de hoje, destaco a meta do apóstolo Paulo. Para entendermos, é necessário que recordemos que Filipenses é uma das suas últimas cartas. A trajetória do ministério do apóstolo já contava com muitos anos de experiência  e ele podia, com todo direito, pensar em descansar por todos os êxitos que tinha obtido. Todavia, nos chama a atenção que Paulo tinha uma orientação bem clara em seu coração: “olhava diretamente para o futuro”.  Com o decorrer dos anos, comumente meditamos no passado recordando as vitórias obtidas e as experiências vividas. Contudo, em especial, nossa mente torna uma e outra vez a lamentar as oportunidades perdidas, os erros cometidos e as situações que não saíram como esperávamos. Sabemos que pode ser um exercício benéfico olhar atrás, de vez em quando, para reconhecer o caminho percorrido e celebrar a mão de Deus que operou a nosso favor, mas o mais importante é olhar para o futuro. Ninguém pode caminhar para frente, se está olhando em outra direção. Por esta razão, Paulo diz que se esquece do que fica para trás.

O apóstolo  denuncia nesta frase que sua esperança estava firmemente posta no futuro. Não estava condicionado e nem amarrado ao passado. Não importa quais tenham sido as experiências que viveu, o velho Paulo entendia que o melhor estava por vir. E com esta convicção prosseguia, com passos firmes em direção à meta que Deus havia posto diante dele.

Como cristãos, é importante, também, que olhemos para frente. Não podemos deixar que as dificuldades e os sofrimentos do passado determinem como vemos o futuro. Não podemos, tampouco, viver os êxitos que o Senhor, em sua misericórdia, nos permitiu conseguir no passado. Para nós, que estamos em Cristo, a vida sempre cresce em direção a máxima expressão da sua plenitude. O melhor está por vir.

Ainda que atravessemos tempos de absoluta crise, podemos fixar os nossos olhos no futuro e animarmos em meio a tormenta. Jesus, quando estava no Getsêmani, em meio a grande agonia, conseguiu levantar os olhos e coloca-los na alegria que estava posta diante d’Ele (Hb 12:3). Havendo realizado esta ação, pode suportar a cruz e tudo o que a ela implicava, com um espírito sereno e confiado. Isto fala de quão poderoso pode ser, em nossas vidas, o resultado de uma atitude espiritual correta. 

Para refletir: Estamos animados para seguir em frente com novas forças?    

N’Ele que estabeleceu um alvo para todos os Seus filhos, 

Pr. Natanael Goncalves.