Então, me disse: Filho do homem, estes ossos são toda a casa de Israel;   eis que dizem: Os nossos ossos se secaram, e pereceu a nossa esperança; nós estamos cortados (Ezequiel 37:11). 

Você já viveu algum momento em que nada parecia dar certo? Ou está experimentando isso agora? Algum problema que resiste à solução ou ao desafio, com o qual você parece não poder lidar? Problemas de relacionamentos? Finanças? Saúde? Já ficou ou está abatido (a) ao ponto de desiludir da vida como um todo? Foi numa época em que nada dava certo que Deus nomeou Ezequiel, profeta para o seu povo. Os primeiros vinte e sete anos de sua vida ele os viveu através do declínio politico e espiritual de Judá e Jerusalém. Ele viu o templo perder sua glória, testemunhou a ascensão e a queda de quatro reis. Esse povo foi subjugado pelos babilônios que assumiram o domínio do mundo e fizeram de Judá um estado vassalo. Para os hebreus, humilhados, a Providência e a soberania de Deus se limitava à Terra Prometida e a Jerusalém. Eles se sentiam sozinhos e abandonados na Babilônia. A universalidade e a onipotência de Deus não constavam em sua teologia. O Salmo 137:16 expressa o desanimo do povo judeu em terra estranha, bem como o lamento por estar longe de Jerusalém. Nessa situação, sem esperança, não havia como entoar uma canção. Nessa época, através de Ezequiel, Deus dá uma nova canção: a canção da esperança. Ao fazer de Ezequiel o seu porta-voz, o Senhor lhe dá três admoestações estimulantes: A primeira, “Filho do homem, põe-te em pé, e falarei contigo!” A segunda, “Tu lhes dirás as minhas palavras.” A terceira era: “abre a sua boca e come o que eu te dou” (Ezequiel 2:1,7,8; 3.1). Essa dieta, como um último recurso, resume-se assim: “Levante-se, mova-se, coma e digira a Palavra de Deus.” Quando nada mais dá certo, é isso precisamente o que o Senhor faz por nós. Ele atrai a nossa atenção, dá-nos um desafio para que dependamos somente de seu Espírito para o nosso sustento, e nos alimenta com a sua orientação, enquanto mastigamos e digerimos as suas palavras de estímulo. O tema central da Bíblia é a ressurreição, poder de dar vida, natural ao Senhor do impossível. Ele pode tomar pessoas mortas, casamentos mortos, amizades mortas, projetos mortos, e ressuscitá-los para uma nova vida mediante a ação de seu Espírito! Foi essa a mensagem esperançosa e libertadora de Ezequiel ao povo de Deus, através dos vinte anos de seu ministério na Babilônia. Ele permaneceu com o povo à medida que uma esperança após outra se desfazia. Sua mensagem básica era a onipotência divina que se faz presente no meio do povo de Deus para ressuscitá-lo.

Medite por um minuto na passagem acima. Sempre que a nossa esperança se vai, nossa fé se restringe a um hábito e um dever monótono. Se não estamos entusiasmados com a vida, somos como aqueles ossos secos, fragmentados e espalhados. No entanto, o Senhor afirma: “você está morto, seco, vazio, mortalmente triste. Mas eu vou dar-lhe nova vida!”

Para finalizar, quero dizer-lhe três coisas e estimulo você a guardá-las em seu coração: Primeiro: Quando as coisas secundárias bloqueiam a intimidade com o Senhor, começo a morrer. Segundo, devemos admitir a nossa necessidade da ressurreição diária e do sopro do Espírito Santo para nos encher. Terceiro, a experiência com Deus no passado jamais pode substituir o que Ele anseia ser para nós agora e no futuro.

Em vez de colocar o habitual para refletir, vou pôr hoje minha oração:  “Senhor, reconheço que as coisas desta vida, muitas vezes, tem bloqueado a minha intimidade contigo. Sinto-me distante de tudo aquilo que Tu desejas para mim. Desejo voltar à vida. Mais vivo do que jamais fui. Anseio ser para muitos uma nova canção de esperança firmada em dias melhores que virão, plenos do teu Espírito Santo. 

Essa oração, que reconhece o estado de “ossos secos”, jamais ficará sem resposta. Pense nisso! 

N’Ele que já pôs um cântico de alegria nos lábios de Seus filhos, 

Pr. Natanael Goncalves.