Depois, foram Moisés e Arão e disseram a Faraó: Assim diz o SENHOR, Deus de Israel: Deixa ir o meu povo, para que me celebre uma festa no deserto (Êxodo 5:1).

Comumente tomo alguns exemplos bíblicos para fazer aplicações ao nosso viver. Desejo, em muitas ocasiões, compreender melhor certos acontecimentos que me fogem à explicação, todavia quando não os tenho em sua totalidade, prefiro eleger a minha fé na soberania de Deus e, isso, já adianto, não é uma fuga. O ditado acima, título da nossa meditação, vem ajustar-se à consideração que faço no dia de hoje. O adágio “quanto mais eu rezo”, no entendimento popular, parece evocar uma negativa  sobre a oração. Não quero discutir sobre o cerne dessa questão, apenas me servi dela para focar uma realidade bem presente entre aqueles que, de fato, buscam a Deus de todo coração. Há situações que visivelmente pioram quando começamos a orar. Talvez tenhamos várias respostas a isso. Deus está testando a nossa fé, ou o tempo não chegou ainda, ou quem sabe, eu preciso aprender mais um pouco… Enfim, não sabemos ao certo, mas vamos ao texto de hoje. O Senhor envia Moisés e seu irmão a Faraó com um recado: “deixa ir o meu povo”. Em vez de permitir ao povo sair do Egito, Faraó lhe põe mais encargos e o aflige muitíssimo. É aqui que aprendo algumas coisas e as compartilho com você. Veja; sempre que o poder de Satanás é restringido a um ponto, seu furor aumenta. Assim aconteceu neste caso. A fornalha ia ser apagada pelo amor libertador; porém, antes de o ser, ela arde com mais intensidade e ferocidade. A libertação, sem a intervenção direta do poder do Alto, não poderia acontecer. No primeiro momento, o povo não entendeu, aliás, até se rebelou contra Moisés, mas o poder de Deus se manifestou e esse povo foi liberto da opressão da escravidão e o nome do Senhor foi exaltado.

Este episódio, em muitos momentos da nossa vida, nos coloca num paralelo com a condição daquele povo. Quantas vezes oramos por um problema que nos aflige e clamamos a Deus para que nos liberte dele, mas em vez de ocorrer a libertação, a luta aumenta e parece que as coisas vão desabar. Já passou por isso?

Não sei que tipo de luta você enfrenta, nem sei o tamanho do problema, tampouco sei o quanto arde o fogo pelo qual você atravessa, no entanto sei de uma coisa: Não desista! Continue orando e buscando ao Senhor, pois Ele virá  e você se alegrará. Mesmo que o problema aumente, mesmo que você não veja a luz no fim do túnel, continue e firme-se sobre Jeová e as Suas promessas. 

Para refletir: Nem todos os problemas que passamos possuem a sua origem em Satanás. No entanto, Jesus disse que ele veio para matar, roubar e destruir. Quando oramos e as coisas pioram, pode ser um indicativo de que se trata de origem maligna. Apesar disso, compreenda: O Senhor está no controle! Fique firme! 

N’Ele que está atento às nossas orações, 

Pr. Natanael Goncalves