E havia entre os fariseus um homem chamado Nicodemos, príncipe dos judeus. Este foi ter de noite com Jesus e disse-lhe: Rabi, bem sabemos que és mestre vindo de Deus, porque ninguém pode fazer estes sinais que tu fazes, se Deus não for com ele. Jesus respondeu e disse-lhe: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer de novo não pode ver o Reino de Deus
(João 3:1-3).

Nicodemos estava inquieto pelo que via na pessoa de Jesus. Seus companheiros do Sinédrio, entretanto, buscavam um modo de desacreditar a Cristo. Não obstante, Nicodemos procurou um meio de estar a sós com o Senhor sem ser visto por ninguém. A primeira frase que ele pronunciou ao estar frente a frente com Jesus, revela a falta de discernimento na vida de muitos, ou seja: “crer que os sinais são evidências inquestionáveis da presença de Deus na vida de uma pessoa.” Ainda que no caso de Cristo isto era uma verdade incontestável, a abundância de sinais, todavia, não é uma prova clara da operação do Espírito Santo. Devemos recordar que o inimigo também realiza milagres. Quando Moisés se apresentou diante de Faraó e transformou a vara em serpente, os magos da corte fizeram exatamente o mesmo. Em Mateus 7:21-23, Jesus adverte solenemente que naquele dia muitos se apresentarão diante dele e dirão: “Senhor, não profetizamos nós em teu nome? E em teu nome não expulsamos demônios? E em teu nome não fizemos muitas maravilhas?, ao que o Senhor responderá: Nunca vos conheci…” Imagina como essa gente sentirá ao ouvir da boca de Jesus: “apartai-vos de mim, vós que praticais a iniquidade.”

Apesar do dramático conteúdo deste texto, muita gente na igreja tem sido seduzida. Quantos fazedores de milagres e profetas não desfilam pela igreja do século XXI? Deslumbrados por suas obras, pessoas se esquecem de verificar o verdadeiro sinal que caracteriza o servo de Deus, aquele sinal que o diabo não pode imitar e nem falsificar. O Senhor deixou claro que este sinal é a única evidência da obra de Deus: o novo nascimento pela ação exclusiva do Espírito Santo! Esta é a obra soberana do Espírito que produz no ser humano um coração regenerado e que se manifesta em atitudes completamente diferentes daquelas pessoas que vivem em trevas. É nessa vida que se poderá ver claramente o amor, o gozo, a paz, a paciência, a benignidade, a bondade, a fidelidade, a mansidão e o domínio próprio (Gl 5:22-23). A Palavra claramente destaca que os servos de Deus serão conhecidos por estes frutos.

Para refletir: Será que todos os milagres são indignos da nossa confiança? De modo algum! Deus concedeu ao seu povo acesso a todas as manifestações do Espírito, incluindo a possibilidade de milagres, sinais e prodígios. Não devemos, todavia, olhar para essas manifestações com vistas a avaliar se um ministério é genuíno ou não, mas devemos olhar para a vida da pessoa que está por trás do ministério. Os que caminham com Deus, sem dúvida alguma, possuem o perfume das coisas santas, enquanto se transparece em suas vidas, o mesmo caráter do Senhor crucificado e ressurreto. 

No amor de Cristo Jesus,

Pr. Natanael Gonçalves