pressão

4– Tenha, porém, a paciência a sua obra perfeita, para que sejais perfeitos e completos, sem faltar em coisa alguma.  5– E, se algum de vós tem falta de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá liberalmente e não o lança em rosto; e ser-lhe-á dada (Tiago 1:4-5). 

Todos nós já vivenciamos, de alguma forma,  situações difíceis no relacionamento com algumas pessoas. Já ouvi centenas de vezes aquela famosa frase: “é melhor mexer com bicho do que com gente”. Ora, mesmo sabendo dessa dificuldade, ressalto, no entanto, que Deus se preocupa com gente. O negócio de Deus é gente! Jesus foi enviado ao mundo por causa de gente. O Espírito Santo foi derramado sobre gente. Pensando a respeito, veio ao meu coração o interesse que Deus tem pelos seus filhos. Ele nos deu a Sua Palavra que, em tudo, nos guia. Assim, quando estamos enfrentando uma situação difícil, temos a direção segura  nas Escrituras. Se você não leu a parte I (clique aqui) desta pequena série, sugiro que o faça.  Hoje abordaremos os princípios 3 e 4 de um total de 7 sobre como viver, amadurecer e cumprir os propósitos de Deus ao passar pelas aflições da vida. 

3) O princípio da Paciência (v.4).  Algo muito comum a todos nós é a procura pela rápida saída do sofrimento. No entanto, ao distinguirmos a perspectiva de Deus, torna-se possível enfrentarmos  a aflição com paciência. O Senhor, muitas vezes, deseja que esta tribulação continue o seu curso até recebermos todo benefício que Ele quer dar-nos, pois, somente assim, poderemos tornar-nos maduros, sem que nos falte coisa alguma. Em meio à tempestade dizemos: “já aprendi, Senhor, agora me livre dela. Já, por favor!” Não compreendemos que temos que saboreá-la por um pouco, afim de aprendermos a lição. Esta atitude de paciência só é possível quando enxergamos as aflições sob a ótica de Deus. Tal compreensão  requer a sabedoria do Senhor. 

4) O princípio do discernimento (v.5). O homem com uma fé viva pede de Deus a sabedoria para responder às duras provas. Quando nos vemos em meio às adversidades, mesmo compreendendo o princípio da perspectiva divina, demoramos a entender o que nos sucede. E, quando não entendemos e nem sabemos como agir, podemos pedir-Lhe sabedoria, pois a todos dá com liberalidade, isto é, Ele o faz com bondade e generosidade. A pergunta que muita gente faz no vendaval é “por que?” Esta não é a pergunta indicada. Talvez deveriam perguntar: “Senhor, qual o teu propósito para minha vida? O que devo fazer em meio a esta situação para glorificar-te?” Diante dessa petição, Deus se apresenta como o Doador, pois, é Ele quem dá sabedoria.  

A resposta do Senhor às nossas petições, não são como as do professor que se cansa de ouvir a mesma pergunta repetida vezes: “Outra vez!” “Até quando terei que dizer as mesmas coisas?” Deus não responde assim. Ele continua explicando sem reprovações. Ele é onisciente e nossas perguntas às vezes são néscias. Todavia, Ele é paciente para conosco. Ele sempre está disposto a dar-nos a resposta que buscamos.     

Para refletir: Ao passar pelas aflições, você já pensou nos propósitos específicos de Deus para sua vida? Já pediu a Ele sabedoria para administrar a situação? 

N’Ele, que tem prazer em abençoar os seus filhos com sabedoria, 

Pr. Natanael Goncalves.