Não erreis: Deus não se deixa escarnecer; porque tudo o que o homem semear, isso também ceifará (Gálatas 6:7).

No texto acima, destacamos três princípios que governam a vida espiritual. Primeiro, realçamos o princípio do cultivo da terra, ou seja, o que a pessoa planta no solo é o que colherá mais adiante. Se plantarmos crítica, desamor e coisas semelhantes, será isso que colheremos. Todavia, como povo de Deus, cumpre-nos semear amor na terra do coração humano, fazer o bem e abençoar. Segundo, aprendemos que nunca se colhe no momento em que se planta. O agricultor sabe que por um período de tempo, não verá o fruto do seu trabalho. Da mesma sorte, quando semeamos na carne, não aparece um anjo para repreender-nos, nem cai um raio do céu sobre nós sinalizando um juízo de Deus. Por último, destaco uma abundante colheita. Quando o lavrador semeia algumas sementes de milho, brotará um pé de milho com várias espigas contendo centenas de grãos. O mesmo princípio se aplica na vida espiritual. O que semearmos, colheremos de forma abundante. Portanto, no reino, o homem sábio entende que suas ações no dia de hoje, trazem consigo consequências para o amanhã e, por esta razão, é cuidadoso com o presente.

Para refletir: Deus estabeleceu uma lei, cujo princípio é aplicado a todos. Ele nos deixa saber por meio da Sua Palavra, enquanto lança mão da figura do fazendeiro que semeia a sua terra. Isto nos mostra que as nossas ações geram resultados que, certamente, aparecerão em futuro próximo. Como cristão, o que você está semeando? Você semeia na terra da obediência?, ou… 

No amor de Cristo Jesus,

Pr. Natanael Gonçalves