“…portanto, não vos entristeçais, porque a alegria do Senhor é a vossa força.   (Neemias 8:10b).

O caminho para a reconstrução dos muros de Jerusalém havia estado repleto de obstáculos. O povo teve que lutar contra rumores, divisões, oposições e ainda uma enorme fadiga. Eles haviam sentido o forte desejo de desistir da tarefa que tinham pela frente, ou seja, a tentação de jogar a toalha e abandonar tudo.  Uma situação difícil é mais que propícia ao desânimo, terra fértil para que a ansiedade se instale em nossos corações.

Convicto dessa realidade, o cristão não engana a si mesmo quanto a seus verdadeiros sentimentos. No entanto, sabe que estes sentimentos devem ser tratados imediatamente para não afetar a vida espiritual. Jesus, como Neemias, sabia que era essencial reavivar a alegria, pois esta é a fortaleza do homem espiritual.  Sua agonia no Getsêmani não terminou enquanto ele não se recuperou.  Foi fortalecido pelo gozo que lhe estava proposto para suportar a cruz (Hb 12.2). Este tipo de gozo não é um sentimento, senão uma convicção espiritual. As circunstâncias podem ser adversas em extremo, porém o gozo chega quando conseguimos tirar os olhos das coisas que se veem e olhamos firmemente na direção das coisas que se não veem (2 Co 4:18).

Momento de reflexão: Os seus olhos estão postos nas circunstâncias ou em Cristo e nas Suas promessas?

Pr. Natanael Gonçalves