Expectadores ou Participantes? (Ler Marcos 14.32-35) 

E, levando consigo a Pedro, Tiago e João, começou a sentir-se tomado de pavor e de angústia (Marcos 14.33). 

Imagine Jesus entrando no horto do Getsêmani onde foi travada uma intensa batalha. Se o Calvário foi o último lugar onde Cristo obteria a vitória, Getsêmani foi um dos estágios iniciais no drama da salvação. Getsêmani, sem dúvida, foi campo de uma batalha indescritível. Observe que Jesus começou a se “sentir” tomado de pavor e de angústia. Havendo-Se despojado do uso de Seus atributos divinos, a severidade do sofrimento foi maior do que Ele esperava, ou seja, o surpreendeu! Não se tratava de uma angústia em geral, mas de uma angústia profunda, sem medida. 

A oração do Senhor foi uma oração com o movimento de inclinar o rosto diante de Deus, de levantar-Se e caminhar nervosamente de um lado para o outro, de voltar a sentir-Se consumido pelo horror. Nunca poderemos entender completamente. Estamos em pé como simples espectadores e não como participantes. Bem, se alguma vez, você já se viu diante de um sofrimento que Deus lhe permitiu passar, e experimentou um sentimento de perplexidade e uma tremenda angústia, então, em certa medida, você conhece a participação de seus sofrimentos. Se alguma vez você quebrantou seu espírito diante de Deus, mas Ele não aliviou a sua dor, então, você conhece algo da participação de seus sofrimentos. O ponto aqui não é que Ele conhece a nossa dor, mas que nós conhecemos um pouco da Sua. Já passou por isso? 

Que Deus te abençoer imensamente, 

Pr. Natanael Gonçalves