Tendo purificado a vossa alma, pela vossa obediência à verdade, tendo em vista o amor fraternal não fingido, amai-vos, de coração, uns aos outros ardentemente (1 Pedro 1:22).

Jesus deu-nos um novo mandamento: que vos ameis uns aos outros, como eu vos amei e acrescentou que o teste para saber se somos seus discípulos, é se “vos amardes uns aos outros (João 13:34-35). Entre os irmãos em Cristo, o que os identifica como tais, é o amor. Essa é a identidade do cristão!

Escrevendo aos que sofriam em meio a uma sociedade hostil, Pedro recorda-lhes o dever de exibir o amor fraternal. A tensão que os cristãos experimentam ao enfrentar a oposição do mundo, pode uni-los ou distanciá-los. Todavia, o amor é necessário para que se apoiem e se animem nas circunstâncias difíceis. Um modo de pregar as realidades do poder do evangelho é manifestar amor, harmonia e apoio mútuo entre os irmãos.

O amor fraternal mostra aos irmãos em Cristo que eles têm muitas coisas em comum. Por exemplo, em uma família seus membros possuem os mesmos pais, compartilham a mesma casa e carregam as mesmas características e interesses familiares. Do lado espiritual sucede a mesma coisa: Possuímos a mesma natureza e o Espírito Santo que Deus nos concedeu. Temos que compartilhar os mesmos propósitos e a conduta que Deus nos manda. Estamos obrigados a amar uns aos outros.

Momento de reflexão: O cristão não deve equivocar-se. O que pode distanciá-lo do amor a que está obrigado? Muitos, por causa de seus problemas, se fecham em si mesmos e se afastam da sua comunidade cristã. Pensam que não são amados e que os outros não se importam com eles. Todavia, as coisas não são assim. Essa é uma falsa perspectiva. Quando nos integramos, compreendemos melhor o nosso chamado para amar. Devemos amar sem esperar nada em troca e, quando o fazemos, somos grandemente abençados.

Em Cristo,

Pr. Natanael Gonçalves