Então, o Anjo do Senhor lhe apareceu e lhe disse:  O Senhor é contigo, varão valoroso… E ele lhe disse: Ai, Senhor meu, com que livrarei a Israel? Eis que a minha família é a mais pobre em Manassés, e eu, o menor na casa de meu pai. (Juízes 6.12,15).

Quando o Anjo do Senhor se apresentou a Gideão, este estava totalmente desanimado.  Fazia tempo que os midianitas amargavam a vida do povo de Israel. Saqueavam as terras e levavam o melhor das colheitas. No momento em que acontece o encontro do Anjo com Gideão, este estava trabalhando para esconder o trigo.  Note o marcante contraste entre a saudação do Anjo do Senhor e a resposta de Gideão. O Anjo se refere a ele como um homem valoroso. Porem, o jovem israelita não se sentia assim. Ao contrário, somente podia pensar que a sua família era a mais pobre e, ele, o último da casa. Como podia ter ele valor, ou por outra, ser ele “valoroso”?

Temos aqui um dos mistérios da obra de Deus. Para termos êxito nos projetos que Ele nos propõe, não é importante como nos vemos, nem como nos sentimos. O importante é como Deus nos vê! Sara se via como uma velha estéril e sem perspectiva de gerar filhos. O Senhor a via como mãe de uma multidão. Moisés se via como um homem pesado de boca, útil somente para cuidar de ovelhas no deserto. O Senhor o via como o homem ideal para libertar o povo do jugo egípcio. Ananias via a Saulo como um perseguidor violento da igreja. O Senhor via este homem como um instrumento escolhido para levar o evangelho aos gentios.

Momento de reflexão: Como você se vê? Crê que Deus o vê da mesma forma? Como lhe saudaria o Anjo do Senhor se Ele te aparecesse hoje? Responda para você mesmo!

Em Cristo Jesus,

Pr. Natanael Gonçalves