Elizeu

PROBLEMA: Quando Eliseu se dirigia a Betel, foi confrontado por uns jovens que zombaram dele, dizendo: “Sobe, calvo!”. Quando Eliseu ouviu isso, virou-se para eles e os amaldiçoou, e duas ursas saíram do bosque e despedaçaram os jovens. Como poderia ele fazer isso, amaldiçoando-os, por uma ofensa tão pequena?

SOLUÇÃO: Em primeiro lugar, essa não foi uma ofensa assim tão pequena, porque os jovens trataram Elizeu com desprezo. Como o profeta era a boca com a qual Deus falava ao seu povo, o próprio Deus estava sendo maldosamente insultado na pessoa do seu profeta. Segundo, eles não eram crianças pequenas e inocentes. Eram jovens maldosos, comparáveis às gangues de rua dos dias de hoje. Daí, a vida do profeta foi exposta ao perigo pelo grupo, que era numeroso, pela natureza do seu pecado e pelo óbvio desrespeito que eles demonstraram à autoridade de Eliseu. Terceiro, a ação de Eliseu teve o propósito de amedrontar os participantes de quaisquer outras gangues. Se eles não temessem zombar de um honrado homem de Deus como Eliseu, poderiam ter sido uma ameaça à vida de todo o povo de Deus. Quarto, alguns comentaristas observam que o que eles clamaram tinha o propósito de desafiar a condição de Eliseu como profeta. No fundo, eles estavam dizendo: “Se você é um homem de Deus, por que você não sobe ao céu como Elias?” O termo “calvo” pode ter tido uma conotação decorrente do fato de que os leprosos raspavam a cabeça. Tal comentário dava a impressão de que os jovens consideravam Eliseu como um detestável rejeitado. Quinto, não foi Eliseu que tomou a vida deles, mas Deus, pois somente ele poderia ter dirigido as ursas naquela hora, para atacá-los. É evidente que, por terem zombado desse homem de Deus, aqueles jovens revelaram sua verdadeira atitude para com o próprio Deus. Um desprezo assim para com o Senhor é punível com a morte. As Escrituras não dizem que Eliseu orou para que tal tipo de castigo acontecesse. Foi claramente um ato de Deus em juízo sobre aquela ímpia gangue.