Se foi Deus que endureceu o coração de Faraó, por que este foi então considerado responsável?

PROBLEMA: A Bíblia cita Deus dizendo: “eu lhe endurecerei o coração [o coração de Faraó], para que não deixe ir o povo”. Se Deus endureceu o coração de Faraó, então este não pode ser responsabilizado por seus atos, já que não os praticou segundo a sua própria vontade, mas por ter sido forçado a isso (cf. 2 Co 9:7; 1 Pe 5:2).

SOLUÇÃO: Deus não endureceu o coração de Faraó contrariamente ao que o próprio Faraó por sua livre vontade determinou. A Escritura deixa claro que Faraó endureceu o seu coração. Ela declara que “o coração de Faraó se endureceu” (Êx 7:13), que Faraó “continuou de coração endurecido” (Êx 8:15) e que “o coração de Faraó se endureceu”(Êx 8:19). Novamente, quando Deus enviou a praga das moscas, “ainda esta vez endureceu Faraó o coração” (Êx 8:32). Esta frase, ou uma equivalente, é repetida vez após vez (cf. Êx 9:7, 34-35). De fato, exceto quando Deus predisse o que aconteceria (Êx 4:21), Faraó foi quem endureceu o seu próprio coração em primeiro lugar (Êx 7:13; 8:15 ; 8:32 etc), e só mais tarde Deus o endureceu (cf. Êx 9:12; 10:1, 20, 27). Além disso, o sentido em que Deus endureceu o coração de Faraó é semelhante ao modo pelo qual o sol endurece o barro ou derrete a cera. Se Faraó tivesse sido receptivo às advertências de Deus, o seu coração não teria sido endurecido por Deus. Mas quando Deus dava alívio de cada praga, Faraó tomava vantagem da situação. “Vendo, porém, Faraó que havia alívio, continuou de coração endurecido, e não os [a Moisés e Arão] ouviu, como o Senhor tinha dito” (Êx 8:15). A questão pode ser resumida como se segue: Deus endurece o coração?

Deus não endurece o coração:

Inicialmente

Diretamente

Contra o livre arbítrio da pessoa

Como sua causa

Deus endurece o coração:

Subsequentemente

Indiretamente

Por meio do próprio livre arbítrio

Como seu efeito