PROBLEMA: Em alguns textos a Bíblia promete: “Nenhuma desgraça sobrevém ao justo” (Pv 12:21; cf. 1 Pe 3:13). Mas, em outras passagens, como no caso de Jó, a Bíblia relata como, às vezes, o justo passa por grandes problemas.

SOLUÇÃO: Dois fatores corroboram para explicar esta aparente contradição. Primeiro, a promessa em Provérbios é apenas geral, não universal. Por exemplo, a promessa de que os inimigos do justo com este serão reconciliados por Deus (Pv 16:7) e que com ele estarão em paz certamente não é universal. Paulo agradou a Deus, contudo os seus inimigos o apedrejaram (Atos 14:19). Certamente Jesus agradou a Deus, contudo seus inimigos o crucificaram! Segundo, não é prometido ao crente que ele não passará por nenhuma tribulação. Com efeito, ele é advertido com as palavras de Jesus: “no mundo, passais por aflições” (Jo 16:33). Deus deliberadamente permitiu que Jó sofresse uma grande tribulação (Jó 1); permitiu que um homem nascesse cego para a sua glória (João 9:3); e que o apóstolo Paulo fosse afligido (2 Co 12:7-9). A promessa para o crente é que nenhum mal permanente ou definitivo lhe acontecerá. Não há nenhum mal que nos assedie, o qual o Senhor não possa transformar numa bênção ainda maior (cf. Gn 50:20; Rm 8:28).