PROBLEMA: Pedro diz que “foi o Evangelho pregado também a mortos”. Isso parece querer dizer que as pessoas têm uma oportunidade para serem salvas depois de sua morte. Mas isso entra em conflito com Hebreus 9:27, que afirma categoricamente que “aos homens está ordenado morrerem uma só vez, vindo, depois disto, o juízo”.

SOLUÇÃO: Primeiro, deve-se notar que não há versículo algum na Bíblia que estenda a esperança da salvação para após a morte. A morte é o ponto final, e há apenas dois destinos – o céu e o inferno. Assim, seja o que for que a expressão “pregado a mortos” possa significar, isso não implica que haja salvação após a morte. Segundo, essa é uma passagem não clara, sujeita a muitas interpretações, e portanto nenhuma doutrina deve basear-se numa passagem duvidosa como essa. Os textos difíceis devem ser sempre interpretados à luz dos que são claros, e não o contrário. Terceiro, há outras possíveis interpretações dessa passagem que não entram em conflito com o ensino do restante das Escrituras. (1) Por exemplo, é possível que ela se refira àqueles que agora estão mortos, e que ouviram o Evangelho no tempo em que estavam vivos. Em apoio a isso é citado o fato de que o Evangelho “foi pregado” (no passado) àqueles que estão “mortos” (situação presente). (2) Ou, alguns crêem que essa não seja uma referência a seres humanos, mas aos “espíritos em prisão” (anjos) mencionados em 1 Pedro 3:19 (cf. 2 Pe 2:4 e Gn 6:2).