PROBLEMA: O apóstolo Paulo escreveu aos colossenses: “porque aprouve a Deus que,… havendo feito a paz pelo sangue da sua cruz, por meio dele [Cristo], reconciliasse consigo mesmo todas as coisas, quer sobre a terra, quer nos céus” (Cl 1:19-20). Se Paulo diz que todas as coisas são reconciliadas com Cristo, mediante a sua morte e ressurreição, isso parece implicar que todas as pessoas serão salvas. Mas outros textos das Escrituras declaram que muitos se perderão (por exemplo, Mt 7:13-14; 25:41; Ap 20:11-15).Biblia5

SOLUÇÃO: Antes de tudo, Paulo não está falando acerca da salvação universal, mas apenas da soberania universal de Jesus Cristo. Em outras palavras, toda autoridade foi dada a Jesus Cristo no céu e na terra (Mt 28:18). Em virtude de sua morte e ressurreição, Cristo, como o Ultimo Adão, é Senhor sobre tudo o que foi perdido pelo Primeiro Adão (cf. 1 Co 15:45-49). Note o contraste entre essas duas passagens cruciais de Paulo: 

EFÉSIOS/COLOSSENSES

  • Todos que estão em Cristo
  • Todos
  • No céu
  • Na terra
  • Todos os que são salvos 

FILIPENSES

  • Todos que se dobrarão diante de Cristo
  • Todos
  • No céu
  • Na terra
  • Debaixo da terra
  • Todos os que lhe estão sujeitos 
[clear]

Quando Paulo fala dos que estão “em Cristo” (i.e., dos que são salvos), não inclui “os que estão debaixo da terra” (i.e., os perdidos). Entretanto, todas as pessoas, salvas e não salvas, um dia se dobrarão diante de Cristo e reconhecerão o seu senhorio universal. Mas em parte alguma das Escrituras há o ensino de que todas as pessoas serão salvas. A muitos, Jesus dirá: “Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos” (Mt 25:41). João disse que o diabo, a besta e o falso profeta, e todos aqueles cujos nomes não estão escritos no Livro da Vida serão lançados no lago de fogo para sempre (Ap 20:10-15). Lucas fala do grande e intransponível abismo existente entre o céu e o lugar, chamado inferno, em que os que rejeitaram a Deus vivem em tormentos (Lc 16:19-31). Paulo fala a respeito da punição dos ímpios como sendo “eterna destruição, banidos da face do Senhor” (2 Ts 1:7-9). Jesus declarou que Judas estava perdido, e chamou-o de “filho da perdição” (Jo 17:12). É evidente, por todas essas passagens, que nem todos serão salvos.