PROBLEMA: Hebreus nos diz que Melquisedeque “não teve princípio de dias, nem fim de existência, entretanto, feito semelhante ao Filho de Deus… permanece sacerdote perpetuamente” (Hb 7:3). Como Jesus assumiu este sacerdócio (7:21), alguns que aceitam a reencarnação usam a passagem citada para provar que ele é uma reencarnação de Melquisedeque. Será que eles têm razão?

SOLUÇÃO: Não, isso é um mau uso dessa passagem, o que está claro por diversas razões. Em primeiro lugar, ela diz apenas que Melquisedeque foi “feito semelhante” a Jesus, e não diz que Jesus era Melquisedeque (Hb 7:3). Em segundo lugar, diz apenas que Cristo foi um sacerdote “segundo a ordem de Melquisedeque” (Hb 7:17), e não que ele era Melquisedeque. Finalmente, o fato de que Melquisedeque tenha sido misterioso em seu nascimento e morte, sem genealogia (Hb 7:3), não prova a reencarnação – isso foi usado apenas como uma analogia ao eterno Messias, Jesus Cristo.