A oração deve ser incessante ou curta?

PROBLEMA: Jesus condenou as longas e repetitivas orações dos fariseus, que pensavam que “pelo seu muito falar serão ouvidos” (Mt 6:7). Contudo, nessa parábola Jesus encorajou a oração incessante daqueles “que a ele clamam dia e noite” (Lc 18:7). Essas passagens parecem estar em conflito.

SOLUÇÃO: O que Jesus condenou não foram as longas orações, mas as orações repetitivas, as rezas proferidas repetidamente. Ele estava mais preocupado com a força da oração do que com o seu tamanho. Os intercessores diante de Deus não são ouvidos por suas “muitas palavras”, mas por seu “clamor” sincero.