Escrevi o primeiro livro, ó Teófilo, relatando todas as coisas que Jesus começou a fazer e a ensinar (Atos 1.1).

Quando olhamos para a história de Israel, vemos como Deus o escolheu, redimiu e o chamou para ser distinto dentre todos os povos da terra. Deu-lhe a lei para que vivesse de uma maneira diferente e fosse exemplo para atrair outras nações a conhecer e a adorar a Jeová. Moisés, ao dar a lei aos filhos de Israel, lhes advertiu a não se apartarem dela e, se tal acontecesse, Deus enviaria juízos (Dt 28). A maioria do A.T. relata como esse povo se afastou de Deus e como transgrediu a Sua lei, bem como as consequências trágicas que lhe sobreveio como castigo de Deus. Israel foi levado ao cativeiro e espalhado entre nações pagãs. Não obstante, mesmo quando esse juízo era iminente, os profetas prometiam uma restauração futura do povo de Deus. Depois de longos anos de aflição, Deus levantou líderes para guiá-los novamente à sua terra. As palavras proféticas encontradas no Velho Testamento, designavam três passos que Deus seguiria para restabelecer a seu povo:

1) Regresso do cativeiro e restauração.

2) Vinda do Messias.

3) Bênçãos para Israel.

Estas três etapas eram um problema para os israelitas do tempo de Lucas. A primeira parte já havia sido cumprida quando Deus os restabeleceu em sua própria terra. No entanto, todos viviam na expectativa da chegado do Messias. Estavam frustrados porque, desde o seu ponto de vista, Ele não havia chegado, nem tampouco as bênçãos prometidas. Da perspectiva dos primeiros cristãos, o problema era similar. Embora soubessem que o Ungido já viera, ainda faltavam as bênçãos. Deste modo, todos, igualmente, perguntavam: “O que aconteceu com o programa de Deus para com Israel?” Mateus escreveu seu evangelho contestando essa dúvida e afirmando que Deus havia permanecido fiel à sua promessa de enviar o Messias. Apesar da abundância de evidências de que Jesus era o Cristo, Israel O rejeitou. Assim sendo, Deus trabalha com a formação de um novo povo e um período de juízo para Israel. Após esta etapa, Deus enviaria o Senhor Jesus em sua segunda vinda para cumprir, ao pé da letra, as profecias. Com o passar dos anos, encontramos os cristãos se reunindo em casas e algumas mudanças já aconteciam na igreja de então. Que mudanças? Os gentios já eram aceitos e se identificavam como parte do povo de Deus (1 Pe 2:9-10). No entanto, ainda são chamados de gentios (Ef 3:6; Cl 1:17), mas agora tanto os judeus como os gentios, estão unidos. Uma vez que os obstáculos apresentados pela lei haviam sido eliminados (Ef 2:11-19), dá-se a transformação. Como ela se realizou? O livro de Atos explica. Este livro continua a história onde o evangelho de Lucas a deixou. O Messias já viera. Os líderes religiosos de Israel se haviam negado a aceitá-lo como tal. Somente os desprezados pela sociedade teriam interesse em segui-Lo. Após a morte e ressurreição de Jesus, a igreja seguia crescendo.

No entanto, o Senhor não vinha… Lucas, então, movido pelo Espírito Santo, resolve deixar para as gerações futuras um testemunho fiel de como se iniciou o desenvolvimento da igreja. Atos preenche o vazio histórico que há entre a ascensão de Jesus e a igreja primitiva, como é apresentada nas epístolas. Paulo já havia terminado suas três viagens missionárias. A mensagem do evangelho já se conhecia por todo mundo romano. Quem confiava em Cristo estava sofrendo perseguição, tanto por parte dos judeus como também dos romanos. Estes cristãos perseguidos tinham que entender a base de sua fé para manter-se firmes. Lucas queria fortalece-la relatando os principais eventos que deram origem à igreja. O propósito expressado por Lucas em seu evangelho e no livro de Atos, era o de confirmar o que Teófilo e os outros leitores haviam aprendido. Em ambos os livros, escreveu um relato histórico e ordenado para documentar o que haviam ouvido. Atos descreve a criação do novo povo de Deus, a igreja. Em seu evangelho, Lucas relata os sucessos que rodearam o nascimento, ministério, rejeição, morte e ressurreição do Messias e demonstrou porque era necessário formar um novo povo de Deus. Os dirigentes de Israel rejeitaram as boas novas e optaram por protegerem seus próprios interesses. Continuando a narrativa onde terminou seu evangelho e, debaixo das mesmas circunstâncias, escreveu Atos para relatar como é que o Senhor levaria a cabo os Seus desígnios.

Finalizando, meu propósito é estimular você a estudar o livro de Atos e, no final do livro, compreender que a igreja (como cristão você faz parte dela) continua a escreve-lo.

No amor de Cristo Jesus,

Pr. Natanael Gonçalves