Venha o teu Reino

O Reino de Deus e a oração. 

Portanto, vós orareis assim: Pai nosso, que estás nos céus, santificado seja o teu nome; venha o teu reino; faça-se a tua vontade, assim na terra como no céu (Mateus 6:9-10). 

Devemos reconhecer que há coisas que não entendemos totalmente. A oração é uma delas. Jesus, ao dar aos seus discípulos um modelo, apresenta alguns pontos sobre os quais levantamos algumas questões para, em seguida, buscarmos uma compreensão melhor do registro de Mateus em seu evangelho. O foco, objeto deste editorial, encontra-se no verso 10, onde Ele expressa: venha o teu reino; faça-se a tua vontade, assim na terra como no céu.”

A primeira questão é com a frase “venha o teu reino”. Antes, porém, vejamos alguns aspectos sobre o reino.

O Reino de Deus é real! Ele reina no presente e, de certa forma, interfere nos governos e nas nações para levar a cabo seu propósito, mas não reina sem oposição e sem interferência. Não se respeita a vontade de Deus na terra. Os homens, os governantes e líderes praticam crimes, injustiças, detêm a verdade, exploram os fracos e são difamadores. Entretanto, Deus reina e, reina sobre tudo. Apesar da oposição, Ele não perdeu nada e nem diminuiu o seu poder.

Outro ponto a destacar é o de Mateus 12:28 que nos afirma: 

Se, porém, eu expulso demônios pelo Espírito de Deus, certamente é chegado o reino de Deus sobre vós. 

Este texto mostra que o Reino é presente, mas também é vindouro. O Reino não é a posse do mundo consistindo em coisas, bens e tudo o mais que ele pode oferecer, mas, sobretudo, o reino é o “domínio do mundo”. E, nestes termos, Jesus demonstra o Seu poder expulsando demônios.

Finalmente destaco Lucas 17:20-21:

Interrogado pelos fariseus sobre quando viria o reino de Deus, Jesus lhes respondeu: Não vem o reino de Deus com visível aparência. Nem dirão: Ei-lo aqui! Ou: Lá está! Porque o reino de Deus está dentro de vós. 

Quando Jesus foi interrogado pelos fariseus acerca do Reino, Ele usou a palavra “entos” no grego, cujo termo se traduziu para o português usando palavra “dentro”. Ainda que haja uma discussão com respeito à palavra traduzida, o Senhor estava dizendo que Ele, como Rei, estava “entre eles”, mas subtende-se que, ao traduzir por “dentro”, o significado é que Ele, como Rei e Senhor, vive dentro dos seus súditos, os quais entram no Reino por meio do novo nascimento. Essa é a parte invisível do Reino. A parte visível, ainda que não totalmente, é a manifestação do poder do Rei por meio da igreja, a qual anuncia as boas novas do evangelho que transforma vidas e aponta para a chegada do Reino vindouro.

A segunda questão que se apresenta na oração, é a frase seguinte a “venha o teu reino”, ou seja, “faça-se a tua vontade, assim na terra como no céu”.

Jesus nos incita a orar para que “VENHA O REINO”, ou seja, quando o Reino vier, se manifestará de forma visível a todos (milênio). Assim, as oposições serão totalmente dominadas e não mais acontecerão, pelo menos até o final do período milenar. Na oração, entretanto, se acrescenta algo mais: “faça-se a tua vontade, assim na terra como no céu“. Ora, a vontade de Deus é plenamente realizada na esfera celeste, mas não na terra. A oração é para apressar a vinda do Reino e acabar com toda a oposição, para que a vontade de Deus seja plenamente realizada.

A grande questão é: Sendo Deus tão Poderoso, e não há poder no universo como o d’Ele, por que, então, Ele não faz plenamente a sua vontade aqui na terra? Creio, profundamente no amor de Deus pelos homens e na condição que Deus deu a todo ser humano: o livre arbítrio! O homem num certo sentido, pode não ser livre totalmente, pois fica servo das suas escolhas. Contudo, é livre para escolher amar a Deus, servi-Lo de todo o coração, ou para rejeita-Lo. Quando o pecado entrou em cena, alterou toda a criação e, o homem, por sua vez, desprezou o Altíssimo. Como resultado, esse mesmo homem concedeu a Satanás o direito para tomar o lugar de “príncipe deste mundo” (Lucas 4:5-6). Nosso Deus é um Deu justo!, e justo até com o diabo. Jesus, ao ser tentado no deserto, recebeu uma proposta de Satanás que consistia em receber dele todos os reinos deste mundo. Ele, (o diabo) explica que os recebeu e que, portanto, poderia dar a quem quisesse. O Senhor não contestou o Diabo quanto à posse dos reinos e isso revela que ele os possuía de fato. Sendo assim, posso entender que a oração dos santos é uma súplica para a intervenção de Deus, o que lhe confere “uma espécie de legalidade” para entrar no “sistema” comandado por Satanás. Deus precisa disso? De forma alguma!, contudo, Ele, por meio da Sua Palavra, nos convida à oração e, como resposta, Ele agirá. Confesso que não temos todas as respostas nem sabemos de todas as coisas. Contudo, é simplesmente fantástico poder fazer parte do projeto para que a vontade de Deus seja plenamente realizada na terra, e também poder apressar a vinda do Reino. Glória a Deus!

Pr. Natanael Gonçalves