Meus irmãos, tende por motivo de toda alegria o passardes por várias provações, sabendo que a provação da vossa fé, uma vez confirmada, produz perseverança. Ora, a perseverança deve ter ação completa, para que sejais perfeitos e íntegros, em nada deficientes (Tiago 1:2-4). 

Esta passagem é bem conhecida de todos aqueles que já caminham na vida cristã por algum tempo. Não devemos permitir, todavia, que a familiaridade com o texto nos roube a possibilidade de continuarmos aprendendo o que Deus quer dizer-nos através de Sua Palavra.  Há vários pontos importantes na exortação de Tiago. Em primeiro lugar, verificamos que o apóstolo encoraja aos irmãos a ter uma atitude de alegria em meio às dificuldades. O contentamento é uma das coisas que caracteriza aqueles que andam em Cristo e nenhuma situação os deve privar de desfrutar d’Ele. Normalmente o gozo é o resultado de algo que nos faz bem. Algum acontecimento, alguma palavra ou alguma experiência agradável que vivenciamos pode produzir em nós essa alegria. Entretanto, aqui está a nossa dificuldade: como alegrar-nos em situações de prova? A maioria de nós não consegue sentir qualquer tipo de prazer ou gozo quando estamos submergidos em circunstâncias que consideramos negativas ou tristes. Tiago, todavia, nos ajuda a entender que isto NÃO é o resultado de colocarmos os olhos na prova ou tribulação pela qual estamos atravessando. Logicamente, nenhuma crise nos inspira a dar graças e nem tampouco a sentirmos alegria. Ao contrário, quanto mais a analisamos, mais desanimamos ficamos, enquanto um grande número de sentimentos opostos  nos envolve.

A exortação de Tiago não é para colocarmos os nossos olhos na prova, mas no resultado da prova. Que resultado é esse? “que sejamos perfeitos e íntegros, em nada deficientes”, ou por outra, “sem faltar em nada”. Nesta expressão “em nada deficientes”, está incluída justamente a perspectiva que neste momento não nos permite alegrar-nos. A palavra “perfeito” é muito importante no Novo Testamento. Não se refere, contudo, que sejamos pessoas  que nunca cometem erros, nem caem em pecado. Nada disso! Se refere, no entanto, à perfeição desde a ótica de Deus, a qual é a possibilidade de viver em toda a sua plenitude a vida que o Senhor nos tem chamado, cumprindo assim, o propósito para o qual fomos criados. Tome nota de um detalhe importante: não é você que está sendo provado, mas a sua fé. O Senhor não se propôs a fazer-nos passar por um mal momento, apenas por um capricho d’Ele. Não! Ele está trabalhando para que a nossa fé seja o que deve ser. Você e eu sabemos que isto é muito importante, pois a fé é um dos ingredientes básicos da vida espiritual. “Sem fé”, nos diz o autor de Hebreus, “é impossível agradar a Deus” (Hb 11:6). Assim, entendemos que precisamos de um trabalhar d’Ele em nós para que possamos ter e desenvolver uma fé viva, dinâmica e robusta. 

Para refletir: Se você está passando por uma tribulação, experimente alegrar-se e, se você ainda se pergunta como fazer isto, leia Atos 16:22-34 para ver como Paulo e Silas o fizeram. Nesse texto, temos um exemplo fantástico da alegria em meio às aflições. 

Em Cristo Jesus, 

Pr. Natanael Goncalves