Muitas pessoas se dizem cristãs, mas não frequentam uma igreja. Apresentam motivos vários, desde uma decepção com o pastor ou com pessoas que fazem parte do corpo de Cristo a questões como não concordo com isso ou com aquilo. Quero fazer uma observação pertinente e me dirijo a estes irmãos que estão fora do convívio da igreja. Vejam bem: 

Um dos traços característicos da sociedade ocidental é o individualismo. O homem ocidental tende a pensar em si mesmo como indivíduo e não como parte de um conglomerado. Além disso, o homem moderno parece ter desenvolvido uma alergia crônica contra qualquer tipo de compromisso. Repele veementemente qualquer coisa que possa reduzir seus desejos e interferir com os seus planos. Infelizmente essa mentalidade continua a ter um impacto dentro do cristianismo. Muitas pessoas afirmam possuir um relacionamento pessoal com Cristo, sem, ao mesmo tempo, possuir uma relação vital com a igreja. Mas, tal coisa é simplesmente impossível. Estar em Cristo é equivalente no NT a estar na Igreja; amar a Cristo é amar a igreja, preocupar-se com ela e envolver-se com ela. Se ignorarmos a dimensão corporativa da obra redentora de Cristo, estamos reduzindo a mensagem das Escrituras e reinventando o Cristianismo. 

Paulo nos diz em Tito 2:14, que Cristo se entregou por nós “para remir-nos de toda iniquidade e purificar, para si mesmo, um povo exclusivamente seu, zeloso de boas obras”. Comentando sobre este texto, Sinclair Ferguson diz: “Paulo enfatiza aqui e em muitos outros lugares, que Cristo quer criar um povo, não apenas salvar indivíduos isolados que acreditam Nele.” Esse interesse de Cristo pela unidade do seu povo é evidente na oração intercessória de Jesus, registrada em João capítulo 17. Se as nossas orações revelam os desejos mais profundos da alma, então não há dúvida de que a unidade dos crentes é uma questão prioritária na mente e no coração de Cristo. A unidade mencionada por Jesus em sua oração, não é uma realidade que veio incluída no pacote da salvação. O Senhor pediu ao Pai que os Seus venham a ser um, que essa unidade seja perfeita e que se manifeste em uma medida crescente. Desta forma, ser parte ativa de uma igreja local não é opcional para o crente. 

O infame Código Da Vince mostra um suposto relacionamento entre Cristo e Maria Madalena. Entretanto, a Bíblia reconhece apenas um dos cônjuges de Cristo que Paulo menciona em sua exortação aos maridos no capítulo 5 da sua carta aos Efésios: “Maridos, amai vossa mulher, como também Cristo amou a igreja, e se entregou por ela.” 

Finalizando, meu desejo é que você entenda que a igreja é corpo e que, mesmo decepcionado, desiludido ou qualquer que seja o agente motivador que o afastou de uma igreja local, você é membro desse corpo e como tal, deve estar integrado.

Que Deus te abençoe,

Pr. Natanael Gonçalves