E, ao que quer demandar contigo e tirar-te a túnica, deixa-lhe também a capa (Mateus 5:40).

Há duas pessoas envolvidas neste exemplo de Jesus. A primeira está demando a segunda por uma dívida contraída e, por isso, sob os auspícios da lei, quer levar em penhor sua túnica. Na legislação do Antigo Testamento, a roupa podia ser tomada como garantia de um empréstimo, no entanto deveria ser devolvida ao por do sol para servir de abrigo à noite: Se do teu próximo tomares em penhor a sua veste, lha restituirás antes do pôr do sol; porque é com ela que se cobre, é a veste do seu corpo; em que se deitaria? Será, pois, que, quando clamar a mim, eu o ouvirei, porque sou misericordioso (Êxodo 22:26-27). O fato de alguém tomar a roupa de outro em penhor, era considerado uma tremenda injustiça. Todavia, que ninguém se espante, pois, a injustiça é parte da sociedade onde impera o pecado, conforme Eclesiastes 5.8: Se vires em alguma província opressão de pobres e o roubo em lugar do direito e da justiça, não te maravilhes de semelhante caso; porque o que está alto tem acima de si outro mais alto que o explora, e sobre estes há ainda outros mais elevados que também exploram.

A segunda pessoa no cenário é o devedor e, a ele, Jesus está dirigindo esta palavra. Antes de entrar nas considerações, é bom saber a verdade central que o Senhor comunica nesta seção: os cristãos devem ir além daquilo que os outros esperam deles. O propósito é atrair os perdidos para Deus, por meio dos atos de seu povo (Mateus 5:16; 1 Pedro 2:12). Não obstante, vamos aos fatos. Ao devedor, lhe era exigido dar ao credor sua túnica. O devedor era pobre e não tinha com que pagar, e assim sendo, deveria ser-lhe tirada a veste. A túnica era uma vestimenta interior e mais íntima, enquanto que a capa era uma veste exterior. Em vez de responder com ressentimento este processo judicial, o devedor deveria permitir que o credor levasse também a capa.

Em cada situação de injustiça, o cristão deve ter em mente o exemplo de Jesus. Ele, por amor, despojou a Si mesmo de suas riquezas e glória para dar tudo, incluindo sua vida, a quem não possuía o direito sequer de ser amado, ou seja, eu e você (2 Coríntios 8:9).

Aqueles que confiam no Senhor, depositam em Suas mãos as injustiças sofridas e esperam confiantemente n‘Ele, posto que o mesmo Deus afirma que o justo não será desamparado. O cristão deve lembrar que Deus abençoa o justo e o cerca com sua proteção pessoal. Amar é deixar de exigir para dar sem reservas. Pense nisso!

Momento de Reflexão: O cristão deve expressar o caráter de Jesus neste mundo, posto que Cristo vive e age por meio dele (Gálatas 2:20). No entanto, ele pode obstruir a manifestação do Senhor. Por exemplo, se ressentirmos com alguém que cometeu alguma injustiça contra nós, não estaremos manifestando a vontade de Deus. Mesmo sofrendo injustiça e tendo direitos, nosso coração deveria se encher de amor e compaixão por tal pessoa. Se atuarmos assim, poderemos revelar a ele a pessoa de Jesus. Como você age diante da injustiça recebida?

No amor de Cristo Jesus,

Pr. Natanael Goncalves