semear_o_evangelho

Aquela pessoa é uma bênção!

Salmo 1:1-3

Bem-aventurado o homem que não anda no conselho dos ímpios, não se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores. Antes, o seu prazer está na lei do Senhor, e na sua lei  medita de dia e de noite. Ele é como árvore plantada junto a corrente de águas, que, no devido tempo, dá o seu fruto, e cuja folhagem não murcha; e tudo quanto ele faz será bem sucedido.

Deus nos abençoa para que possamos abençoar a outros (Gn 12:2). Se as bênçãos ficam conosco, as dádivas tornam-se mais importantes do que o Doador, e isso é idolatria. Devemos nos tornar canais das bênçãos de Deus para outros. É uma alegria receber uma bênção, mas alegria maior ainda é ser uma bênção. “Mais bem-aventurado é dar do que receber” (At 20:35). A imagem da árvore aparece com frequência nas Escrituras e simboliza tanto um reino (Ez 17:24; Dn 4:20-22; Mt 13:32) quanto um indivíduo (Sl 52:8; Jr 17:5-8; Mt 7:15-20). Assim como uma árvore, a pessoa temente a Deus é cheia de vida, beleza, frutos e é proveitosa e duradoura. A parte mais importante de uma árvore são suas raízes que ficam dentro do solo e retiram dele a água e os nutrientes. Assim também, a parte mais importante da vida de um cristão são suas “raízes espirituais”, que se alimentam dos recursos ocultos que possuímos em Cristo (Ef 3:17; Cl 2:7). É isso, também, o que significa “permanecer em Cristo” (Jo 15:1-9). Nas Escrituras, a água potável é uma figura do Espírito de Deus (Jo 7:37-39), enquanto a água para se lavar retrata a Palavra de Deus (Jo 15:3; Ef 5:26). A sede de água é uma imagem da sede de Deus (Sl 63:1; 143:6; Mt 5:6; Ap 22:17), e, com frequência, um rio retrata a provisão divina de bênçãos espirituais e de ajuda  para seu povo (Sl 36:8; 46:4; Ez 47; Ap 22:1, 2). Não somos capazes de nos nutrir nem de nos sustentar por nossa própria conta; precisamos estar arraigados em Cristo e nos alimentar de seu poder espiritual. Uma das fontes de energia é a meditação na Palavra (v. 2); as outras são a oração e a comunhão com o povo de Deus. As árvores podem secar e morrer, mas aquele que permanece em Cristo mantém-se sempre verde e dá muitos frutos (Sl 92:12-14). Os “frutos” se referem aqui a várias bênçãos: ganhar pessoas para Cristo (Rm 1:13), um caráter piedoso (Rm 6:22, Gl 5:22, 23), contribuir financeiramente para a obra do Senhor (Rm 15:28), servir e realizar boas obras (Cl 1:10) e louvar ao Senhor (Hb 13:15). É triste quando um cristão não dá  atenção a suas raízes e começa a secar. Lembre-se que a árvore não come os frutos: eles são para outros! Também não podemos esquecer que frutos não são a mesma coisa que “resultados”, pois os frutos têm dentro de si as sementes para mais frutos. São decorrentes da vida de Deus fluindo por nós e através de nós.

Para refletir: Lembre-se da ordem de Deus a Abraão em Gn 12.2: “Sê tu uma bênção!” Como cristãos, devemos ser “uma bênção” na vida de outras pessoas. Você tem sido? Alguns podem ser retratados por duas ferramentas: a enxada e a pá. Aqueles que são enxadas, sempre querem as bençãos somente para si mesmos ou para a sua casa. Estão sempre a buscar e a “puxar” somente para eles mesmos. Aqueles que são pá, recebem, mas estão sempre passando à frente e compartilhando as bênçãos recebidas de Deus. Que tipo é você?

Minha oração e desejo é que você seja como uma árvore plantada junto a correntes de águas e que dê muito fruto para a glória de Deus!

Em Cristo Jesus,

Pr. Natanael Gonçalves