Portanto, se trouxeres a tua oferta ao altar e aí te lembrares de que teu irmão tem alguma coisa contra ti, deixa ali diante do altar a tua oferta, e vai reconciliar-te primeiro com teu irmão, e depois vem, e apresenta a tua oferta (Mateus 5.23–24).

Depois de deixar bem claro que Deus não aceita oferta de um coração contaminado (ver publicação anterior aqui), Jesus oferece a solução para a situação exposta. Ele o faz mediante um mandamento usando o verbo no modo imperativo: “Vai”. Observe que não se trata de uma opção, mas de um mandado. A oferta fica diante do altar esperando a ocasião propícia para que seja consumada, pois o que era tão importante para o ofertante, ficou em um segundo plano, cedendo lugar àquilo que era preferencial ou prioritário. Igualmente enfática é a expressão: “reconciliar-te primeiro”, posto que o verbo exprime também a ideia de tomar a iniciativa na ação. Em outras palavras: Não esperes que o teu irmão venha pedir-te explicações nem intentes saber a causa de seu sentimento, simplesmente deixe tudo e, rapidamente, conserte a situação, ou seja, reconcilia-te com ele.

Além do mais, cabe ao ofertante uma manifestação de obediência ao mandamento do Senhor: “vai reconciliar-te”. Não há dúvidas de que, nesta parte do texto, se introduz uma outra lição, uma vez que a Bíblia ensina que a obediência é mais importante que os sacrifícios (1 Samuel 15:22). Aquele que sabe que seu irmão está ofendido contra ele, deve buscar o quanto antes e com primazia, a reconciliação com quem está ofendido. O cristão espiritual é quem deve tomar sempre a iniciativa na restauração da correta relação com seus irmãos. Com base nessa premissa, Paulo escreveria à igreja em Roma: “Se for possível, quanto estiver em vós, tende paz com todos os homens” (Romanos 12:18). As inimizades são manifestações da carne e permiti-las ou praticá-las, é um ato carnal (Gálatas 5:20). Outrossim, as inimizades são uma forma de divisão na igreja e um pecado contra a unidade do corpo (Efésios 4:3).

Com o ensino de Jesus aprendemos que, somente no terreno da reconciliação e da comunhão com o irmão, os problemas que impedem a adoração são superados e, a partir da sua solução, o ofertante pode retornar ao altar e realizar sua oferta de adoração a Deus. Sem obstáculos morais, Deus aceita a oferta de adoração. Uma advertência solene, todavia, tem a ver com um culto que não agrada a Deus. Permita-me explicar: Não é consistente afirmar o amor de Deus, quando não se ama ao irmão, o qual é objeto do amor do Altíssimo. A comunhão horizontal, isto é, entre os cristãos, obedece a comunhão vertical com Deus. Não se pode ter comunhão com os irmãos se não há comunhão com Deus e não pode haver comunhão com Deus, se não há comunhão com os irmãos (1 João 1:3).

Momento de Reflexão: Existe alguma situação nos seus relacionamentos que precisa ser reparada? Se há, não deixe para amanhã. A ordem do Senhor é expressa e demanda urgência: “ Vai! ”

No amor de Cristo Jesus,

Pr. Natanael Gonçalves