caminho-santidade

A santidade não é uma opção. 

O assunto pode não interessar a muitos porque transita em uma estrada onde a natureza humana teima em falar mais alto, todavia é preciso entender a ordem de Deus a seus filhos. Não se trata de estarmos diante de dois caminhos sem saber por qual deles devemos ir. Não! Trata-se de uma ordem. Veremos alguns pontos concernentes. 

Sede Santos – 1: 14-16 

14 – Como filhos da obediência, não vos amoldeis às paixões que tínheis anteriormente na vossa ignorância; 15 – pelo contrário, segundo é santo aquele que vos chamou, tornai-vos santos também vós mesmos em todo o vosso procedimento, -16 porque escrito está: Sede santos, porque eu sou santo.

  1. Ser santos para não voltar a viver como antes – 1.14 

Vemos dois possíveis estilos de vida nos versos 14 e 15.

a) A vida governada pelos mesmos desejos que tínhamos antes de sermos cristãos (14)

b) A santidade que transforma todo aspecto da vida (15).

O cristão não tem escolha ou possível alternativa. O imperativo está centrado no segundo estilo de vida e a Bíblia registra a razão: porque Deus é Santo! No verso 14, o verbo “não vos amoldeis” se refere a não permitir que sejamos moldados pelas persistentes pressões que vivem dentro do ser humano. Esta forma de vida se descreve como desejos pessoais, ignorância (14) e vaidade (no verso 18). Uma vã maneira de viver significa uma vida sem propósito, cujo tipo de vida não alcança bons resultados. Esta é uma vida considerada inútil.

  1. Ser santos para imitar a Deus – 1:15-16 

Ser santo significa ser “diferente”, “separado do que é imundo ou impuro”. A mais forte motivação para sê-lo, é que o nosso Deus é santo. Sim, o nosso Pai é santo! Portanto, temos que ser imitadores d’Ele. As Escrituras se harmonizam nos ensinos. Paulo ensina acerca do caráter da santidade, dizendo que a meta de Deus Pai é que o cristão seja conformado à imagem de Seu Filho, conforme registra em Romanos 8.29: Porque os que dantes conheceu, e também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho, a fim de que ele seja o primogênito entre muitos irmãos. Também o faz em 2 Coríntios 3.18: Mas todos nós, com cara descoberta, refletindo, como um espelho, a glória do Senhor, somos transformados de glória em glória, na mesma imagem, como pelo Espírito do Senhor. Este processo se desenvolve durante toda a vida do cristão nesta terra. Contudo, é necessário dizer que não marcamos aqui “um tempo” para que se alcance a santidade, mas que a mesma é desenvolvida diariamente na vida dos filhos do Altíssimo. O Espírito Santo, através de João, nos fez esta promessa: “Amados, agora somos filhos de Deus, e ainda não é manifesto o que havemos de ser. Mas sabemos que, quando ele se manifestar, seremos semelhantes a ele; porque assim como é o veremos” (1 João 3:2). Por esse texto, entendemos que o processo de santificação iniciado aqui, será, por Deus aperfeiçoado na vida de seus filhos na volta de Jesus. Aleluia!

Para refletir: O conceito de santidade nas Escrituras pode ser entendido como limpeza ou pureza. Como podemos nos limpar? Por meio da Palavra de Deus. Jesus disse aos seus discípulos: Vós já estais limpos pela palavra que vos tenho falado (João 15:3). Para que isto seja uma realidade em nossa vida, devemos substituir, a cada dia, os conceitos e valores mundanos que adquirimos antes de conhecer a Cristo, pelos conceitos e padrões de Deus. Como fazemos isso? Exercendo uma disciplina diária de meditação nas Escrituras e mantendo comunhão com Deus por meio da oração. Minha pergunta a você: quanto tempo você gasta todos os dias nessa prática?

Permita que o Espírito de Deus ministre ao seu coração,

Pr. Natanael Gonçalves