igreja viva

Jesus, a Pedra Viva! – Parte II

Na continuidade do tema, é muito importante ver qual é o papel do cristão, meu e seu, dentro do contexto que Pedro aplica.

 2. O cristão é uma pedra viva no templo

1 Pedro 2:5-6: Vós também, como pedras vivas, sois edificados casa espiritual e sacerdócio santo, para oferecerdes sacrifícios espirituais, agradáveis a Deus, por Jesus Cristo. Pelo que também na Escritura se contém: Eis que ponho em Sião a pedra principal da esquina, eleita e preciosa; e quem nela crer não será confundido.

Muitas pedras são necessárias para edificar um templo e os verdadeiros cristãos representam cada uma delas. Quando recebemos o Senhor, somos colocados no lugar correspondente. Isso demonstra que cada pessoa é sumamente importante para Deus. Paulo ensina em Efésios 2:21-22, que esse templo espiritual é habitação de Deus. Vejamos:

No qual todo o edifício, bem ajustado, cresce para templo santo no Senhor,   no qual também vós juntamente sois edificados para morada de Deus no Espírito.

No Antigo Testamento, Deus habitava no tabernáculo e posteriormente no templo para manifestar-Se a Seu povo. Hoje sua presença especial permanece em sua igreja (nós), a qual é o seu templo. O verso 5 nos mostra que o cristão chega a ser duas coisas: “Casa espiritual e sacerdócio santo”. Isto indica que:

1.   Os cristãos compõem o templo de Deus no qual Ele habita e seu povo o adora.

2. Os cristãos são sacerdotes que servem no templo, louvando a Deus por meio de sacrifícios espirituais.

Posto que somos sacerdotes no templo de Deus, não chegamos a Ele através de um mediador humano. Jesus é o único que pode exercer essa função e não necessitamos de mais ninguém (Hebreus 10:19-20). O que são sacrifícios espirituais? No AT o sacerdote oferecia sacrifícios para cobrir pecados. Agora, isso não é mais necessário. Cristo foi sacrificado uma vez por todas. Então, o que fazemos como sacerdotes?

Oferecemos sacrifícios de gratidão pela nossa redenção, por meio de Jesus, ou seja, apresentamos um “sacrifício de louvor”, que é o fruto dos lábios que confessam o Seu nome (Hb 13.15). Mas, no que isso implica? Em oferecer cânticos?

Pedro destaca que o sacerdote deve refletir a santidade de Deus. “Sede santos, porque eu sou santo” (1:16). O sacerdote oferece o seu corpo, como sacrifício vivo em culto de reconhecimento e gratidão a Deus por Jesus Cristo. Pedro está falando a mesma coisa que Paulo em Rm 12.1: Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis o vosso corpo em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional.

Mas, o que é oferecer o corpo? Oferecer o corpo é apresentar-se ao Senhor em consagração, convicto de que sou “habitação de Deus” e, por isso, me separo do mundo, não somente com meu espírito e alma, mas também com meu corpo para culto ao Senhor como sacrifício vivo. No entanto, o elemento do culto com sacrifícios espirituais envolve outras coisas:

  • O louvor a Deus,
  • A confissão de pecados
  • O evangelismo
  • As pessoas que trazemos ao Senhor
  • O fazer o bem a outros
  • Os dízimos e as ofertas

O verso 6, que é uma citação de Isaías 28:16 (Portanto, assim diz o Senhor Jeová: Eis que eu assentei em Sião uma pedra, uma pedra já provada, pedra preciosa de esquina, que está bem firme e fundada; aquele que crer não se apresse), traz ânimo ao coração do cristão. Ele não será envergonhado, confundido nem defraudado por haver recebido a Cristo como seu Salvador. Pedro queria que esse pensamento animasse os irmãos em Cristo que viviam em meio ao sofrimento.

Para refletir: A vida cristã, no dizer popular, não é mamão com açúcar. Aliás, quem quer seguir a Cristo, deve antes avaliar os custos (Lucas 14.26-33), pois isso significa fazer morrer a natureza terrena e carregar, a cada dia, a sua cruz. A consagração exige a separação de tudo que impuro. É dentro deste contexto que cultuamos a Deus. Adoração não é aquele momento que você vai à igreja e levanta as suas mãos e canta ao Senhor. Não! Adoração é um estilo de vida! Pense a respeito e examine o seu coração.

Em Cristo, a Pedra Viva,

Pr. Natanael Gonçalves