caminhando

O Triunfo! – Parte Final.

O alvo do cristão, enquanto está de passagem nesta terra, não é a conquista de bens, o alcance do sucesso ou qualquer outra coisa que o mundo valorize. Não! O ponto alto para cada um de nós é o céu. Durante a nossa caminhada, certamente, enfrentamos lutas, problemas, dificuldades, perseguição e outras complicações pertinentes. Não obstante a tudo isso, as Escrituras põem diante dos filhos de Deus o triunfo, a vitória. Esse alvo está assegurado pelo próprio Deus! Não há o que temer, mas existe uma cruz para levar e um caminho a percorrer. O Espírito Santo, através de Pedro, lembra aos seus leitores que uma vida transformada é uma vida comprometida. Não importa o que aconteça, o triunfo é garantido. Este tema se relaciona com os versículos 21 e 22, final do capítulo.

1 Pedro 3.21-22 “[…] a qual, figurando o batismo, agora também vos salva, não sendo a remoção da imundícia da carne, mas a indagação de uma boa consciência para com Deus, por meio da ressurreição de Jesus Cristo; o qual, depois de ir para o céu, está à destra de Deus, ficando-lhe subordinados anjos, e potestades, e poderes”.

O batismo como figura. Assim como o dilúvio destruiu o antigo mundo pecaminoso, da mesma forma o batismo retrata a ruptura de alguém com sua vida de pecado e sua entrada a uma nova vida em Cristo. Pedro exorta a seus leitores a declarar publicamente sua fé em Cristo através do batismo. Para um cristão do primeiro século, o batismo significava que o seu compromisso com Cristo continuava, sem importar com suas consequências.

Ao fazer referência ao batismo, Pedro demonstra que em tempos passados, o ser fiel a Deus não assegurava que a vida não teria seus contratempos, mas que o resgate é uma realidade para quem crê. Como ele o faz? Ao referir-se ao batismo, ele o retrata em termos de morte e vitória (ressurreição). Em contraste aos desobedientes e rebeldes, para quem a água (do dilúvio) significava a morte, ou seja, como resultado do juízo de Deus, essa mesma água também levantava a arca que flutuava e guardava perfeitamente salvos [do juízo] aqueles que estavam dentro dela.

O batismo é uma figura, tal qual Jesus disse: “eu sou a porta” (Jo 10:7). Para mostrar essa realidade, Pedro adiciona (verso 21): não sendo a remoção da imundícia da carne (isto é, não se trata de uma limpeza física*), mas a indagação de uma boa consciência para com Deus, por meio da ressurreição de Jesus Cristo. Ao passar pelo batismo, o cristão está afirmando que aceita com uma “boa consciência” os privilégios e as responsabilidades do “convênio” com o seu Senhor. Ele sabe que, pelo méritos de Cristo, foi aceito pelo Todo Poderoso. Uma boa consciência é aquela em que foi aplicado o sangue de Jesus.

Para concluir o comentário de hoje, devemos entender que depois do sofrimento vem a glória. Após a noite escura, vem o dia alegre. Pedro recorda haver visto o Senhor subir ao Céu, onde está à destra de Deus. Vejamos o verso 22: o qual, depois de ir para o céu, está à destra de Deus, ficando-lhe subordinados anjos, e potestades, e poderes.”  Ele está assentado num lugar de honra e, neste caso, Cristo, o Filho, reina junto com seu Pai. Os anjos, as autoridades e os poderes estão sujeitos a Ele. Por Jesus, os leitores de Pedro, depreciados e perseguidos, e às vezes levados até ao martírio, podiam tomar alento e viver em esperança, posto que “nada poderá nos separar do amor de Deus que está em Cristo Jesus, o Senhor” (Rm 8:38-39).

Para refletir: Como cristão comprometido, você vive em triunfo? Como você se sente quando as coisas não vão bem, ou o insucesso bate à sua porta? Deixou de viver a vida triunfante? Como você reage? Faça um exercício bíblico para buscar outros textos além de Romanos 8.39, que nos asseguram ânimo e coragem para atravessarmos as circunstâncias difíceis da vida, inclusive aquelas que dizem respeito às perseguições por causa do evangelho.

Em Cristo, que nos assegurou a vitória,

Pr. Natanael Gonçalves

*Minha nota entre parêntesis