download

Submetidos à Prova – Parte I

1 Pedro 1:6-12

O século XX trouxe intensos sofrimentos a muita vidas e famílias. A violência dos conflitos armados, o terrorismo, a delinquência e a opressão matam os seres humanos. Por outro lado, os terremotos, erupções vulcânicas, tempestades e inundações causam danos materiais e pessoais incalculáveis. A enfermidade provoca debilidade, dor, luto e todos nós padecemos por diversos motivos, seja por sonhos irrealizados, fracassos que não se podem esquecer ou relações familiares destruídas. A vida humana é dura e dolorosa a tal ponto, que alguns duvidam da existência de Deus. Pode o ser humano compreender o significado de todas estas dores e penas? Que postura se deve ter quando elas se apresentam? Que atitude deve ter um cristão quando passa por uma experiência negativa? A passagem mencionada se desdobra em duas seções. Os primeiros versículos ensinam que o Senhor tem um propósito específico ao permitir as tribulações na vida do cristão. De mais a mais, o apóstolo Pedro fala das emoções positivas que devemos sentir apesar dos sofrimentos. Nos últimos três versículos, o autor introduz o ministério do sofrimento e glória que se vê na vida de Jesus. Desta maneira temos:

  • 1: 6-9 = As provas refinam a fé
  • 1: 10-12 = A glória segue o sofrimento

As Provas Refinam a Fé (vs 6-9).

“em que vós grandemente vos alegrais, ainda que agora importa, sendo necessário, que estejais por um pouco contristados com várias tentações, para que a prova da vossa fé, muito mais preciosa do que o ouro que perece e é provado pelo fogo, se ache em louvor, e honra, e glória na revelação de Jesus Cristo; ao qual, não o havendo visto, amais; no qual, não o vendo agora, mas crendo, vos alegrais com gozo inefável e glorioso, alcançando o fim da vossa fé, a salvação da alma.”

Os versículos 3 a 5, como já dissemos, teriam como objetivo animar os leitores dando-lhes a segurança de que Deus tem reservado para eles um futuro de grandes bênçãos, as quais receberão quando se cumprir a etapa final da salvação ao estar com Cristo Jesus. Segundo esse entendimento, o crente há de ter esperança e viver com otimismo porque crê no cumprimento das grandes promessas divinas. O versículo 6 começa dizendo que essa esperança proporciona grande alegria e, daí até o 9, continua descrevendo as emoções que palpitam o coração do cristão. Não é fácil para o ser humano sentir otimismo e alegria em meio às tribulações. A vida traz dores e desilusões, contudo os autores bíblicos, como Tiago no capítulo 1, versos 2 a 4, nos instruem dizendo que podemos regozijar-nos mesmo em meio a elas: “Meus irmãos, tende grande gozo quando cairdes em várias tentações, sabendo que a prova da vossa fé produz a paciência. Tenha, porém, a paciência a sua obra perfeita, para que sejais perfeitos e completos, sem faltar em coisa alguma.” Como isto é possível?

Observe que Pedro afirma nesta passagem, várias verdades acerca dos sofrimentos dos crentes. Quando compreendemos estes ensinos, então devemos aplicar a perspectiva bíblica para sermos fortalecidos em meio aos problemas. Caminhando com o apóstolo, descobrimos a ótica correta ao enfrentar tais contrariedades, senão vejamos: 

As Tribulações são Temporais (v.6) 

em que vós grandemente vos alegrais, ainda que agora importa, sendo necessário, que estejais por um pouco contristados com várias tentações. 

Por um pouco [de tempo] é a expressão que o apóstolo usa. Paulo, também, fala desta leve e momentânea tribulação: 2 Coríntios 4.17: Porque a nossa leve e momentânea tribulação produz para nós um peso eterno de glória mui excelente. Para nós, esses momentos podem parecer longos demais e algumas pessoas sofrem por toda a vida, todavia Deus e seu povo possuem outra perspectiva acerca do tempo, porque a eternidade de glória e bênção permanece para sempre. Em contraste, nossas aflições têm pouca duração. Recordemo-nos quando éramos crianças e nossos pais prometiam levar-nos a um passeio. Faltavam apenas cinco dias para nossa viagem de férias, mas para nós, parecia um ano! A maturidade espiritual e o conhecimento da Palavra de Deus nos proporcionam a convicção de que, na eternidade, não padeceremos enfermidade alguma e estaremos seguros, tranquilos, sem ter que derramar lágrimas nem sentir nenhuma espécie de dor. Nem todas as aflições duram toda a vida. Deus sabe do que necessitamos e quanto podemos suportar. Ele sabe quando se cumprirá o Seu propósito em nós.

Para refletir: Quando passamos por uma prova, Deus está no controle tanto do termostato, quanto do relógio.

Continuamos no próximo post, mas se você estiver passando por uma luta ou tribulação, ponha em prática o que nos ensina a Palavra de Deus.

Em Cristo que nos fortalece,

Pr. Natanael Gonçalves