estrada-temor

Viajando pela estrada do Temor.

 Andai em Temor! – 1:17-21 

Os versos 17-21 giram em torno deste mandado específico. O temor ao Altíssimo tem de influenciar a conduta de cada crente. Pedro provê seis razões, pelas quais devemos temer a Deus. Hoje, veremos a primeira delas: 

17 E, se invocais por Pai aquele que, sem acepção de pessoas, julga segundo a obra de cada um, andai em temor, durante o tempo da vossa peregrinação, 18 sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver que, por tradição, recebestes dos vossos pais, 19 mas com o precioso sangue de Cristo, como de um cordeiro imaculado e incontaminado, 20 o qual, na verdade, em outro tempo, foi conhecido, ainda antes da fundação do mundo, mas manifestado, nestes últimos tempos, por amor de vós; 21 e por ele credes em Deus, que o ressuscitou dos mortos e lhe deu glória, para que a vossa fé e esperança estivessem em Deus.

  1. Porque Ele é o nosso Pai e será nosso Juiz – verso 17

Pedro usa a figura de filho e pai para descrever a relação entre o crente e Deus. Porém agora, adiciona que Ele também será nosso Juiz. Deus é o Juiz que avalia nossa obra e conduta. Assim, tanto a submissão ao Pai como o respeito ao Juiz devem motivar-nos a mostrar profunda reverência para com Sua divina pessoa.

Qual é o temor a que Pedro se refere? É o temor de pecar contra Deus. É o temor de entristecer o coração do Pai com atitudes mundanas e em fazer coisas que não lhe agradem. Devermos evitar cair no extremo de crer que Deus é um Juiz que reside bem longe e envia castigos quando o homem peca ou de estarmos tão seguros de Seu amor, a ponto de pensar que Ele tolera o nosso pecado. Como filhos, devemos encarar com seriedade o pecado e o que significa levar uma vida de santidade. Estamos interessados em ser conformados à imagem de Cristo Jesus? Independentemente das circunstâncias, Deus espera a obediência e o crescimento espiritual de Seus filhos.

Quando somos julgados por Deus? Somos julgados em dois momentos. Esse juízo não diz respeito à salvação, mas porque somos salvos. No primeiro, somos julgados pelas nossas atitudes aqui. Esse julgamento, tem por finalidade nos corrigir e disciplinar. Vejamos o que o Espírito Santo nos ensina através de Hebreus 12.5-11:

E já vos esquecestes da exortação que argumenta convosco como filhos: Filho meu, não desprezes a correção do Senhor e não desmaies quando, por ele, fores repreendido; porque o Senhor corrige o que ama e açoita a qualquer que recebe por filho. Se suportais a correção, Deus vos trata como filhos; porque que filho há a quem o pai não corrija? Mas, se estais sem disciplina, da qual todos são feitos participantes, sois, então, bastardos e não filhos. Além do que, tivemos nossos pais segundo a carne, para nos corrigirem, e nós os reverenciamos; não nos sujeitaremos muito mais ao Pai dos espíritos, para vivermos? Porque aqueles, na verdade, por um pouco de tempo, nos corrigiam como bem lhes parecia; mas este, para nosso proveito, para sermos participantes da sua santidade. E, na verdade, toda correção, ao presente, não parece ser de gozo, senão de tristeza, mas, depois, produz um fruto pacífico de justiça nos exercitados por ela.

No segundo, o seremos com relação ao serviço que fazemos para Ele. Cada um receberá a recompensa apropriada. Sem entrar nos detalhes deste ensino, pois o mesmo está ligado à área escatológica, faço menção dos textos que fazem referência ao assunto:

2 Coríntios 5.10: Porque todos devemos comparecer ante o tribunal de Cristo, e para que cada um receba segundo o que tiver feito por meio do corpo, ou bem ou mal”.

Romanos 14.10;12: Mas tu, por que julgas teu irmão? Ou tu, também, por que desprezas teu irmão? Pois todos havemos de comparecer ante o tribunal de Cristo. De maneira que cada um de nós dará conta de si mesmo a Deus.

Somos filhos! O verso 17 assevera que Deus não tem favoritos. Espera que todos sejam santos. Não concede a ninguém licença para pecar. Obedecer a Deus em determinada ocasião não nos dá o direito de pecar em outra.

Para refletir: Andar em temor durante a nossa peregrinação nesta terra, significa ter atitudes condizentes com tudo aquilo que temos recebido do Pai. Se você é um cristão verdadeiro sabe sobre o que estou falando. Portanto, não haverá desculpas ou justificativas para um procedimento contrário àquele que Deus exige dos seus filhos.

Que ninguém que tenha recebido a graça, a trate de maneira vã,

No amor de Cristo Jesus,

Pr. Natanael Gonçalves