Iniciamos esse Tomo abordando a luta de Jacó com Deus. Antes de continuar com passagens relacionadas, podemos buscar outras lições envolvidas com a bênção do Pai. No entanto, devemos abordá-las com cuidado. Deus lidou com Jacó em uma situação única. Ele não tem nenhuma obrigação de tratar-nos da mesma maneira, nem tampouco de agir conosco como agiu com Abraão, ou ainda colocar uma estrela no céu para anunciar o nosso nascimento. Devemos ser cuidadosos em supor que Deus tem lições específicas para ensinar-nos com a história de Jacó, as quais podem estar além de seus propósitos. No entanto, mesmo assim, se abre uma janela para aprendermos com este exemplo. Podemos ver neste caso, e em outros como ele, que Deus forçou um de seus aliados a lutar. Será que Ele não poderia exigir o mesmo de nós? Se tal luta ocorrer, não é necessário que seja uma luta física. Em Efésios 6:12 Paulo escreveu: “nossa luta não é contra carne e sangue”, mas contra as forças demoníacas que, obviamente, não são seres físicos. A luta pode ser no reino espiritual, vislumbrada em primeiro lugar na vida de oração, perseverança tenaz e apego ao Senhor, apesar das circunstâncias adversas.

Embora isto não responda todas as perguntas, explicaria por que Deus, às vezes, parece ser nosso adversário, em lugar de nosso Sustentador. Em um sentido limitado, e dito com a devida reverência, Deus pode escolher o papel de um adversário durante um certo tempo. De nenhuma maneira o faz abusando de seu poder, ou com a intenção de destruir-nos. Por trás de tudo o que Deus faz, há sempre um propósito. No entanto, se ocorrer uma luta com Deus, se exigirá muito mais esforço do que quando Ele nos sustenta e nos encoraja. Será que entendemos? Quando estamos em estado de desânimo e precisamos de encorajamento e sustento, nosso Deus está sempre pronto para ajudar-nos. No entanto, devemos fazer a parte que a nós é devida e isso demanda esforço. Mas, voltando ao assunto, constatamos que mesmo no plano físico, um oponente que possui uma força superior, pode limitar muito o nosso movimento. O simples fato de suportar um combate, pode exigir um grande esforço, quanto mais, para vencê-lo. Nessas ocasiões sobrevém o esgotamento causado pela natureza prolongada da luta. No caso de Jacó, a luta física durou toda a noite. Se você luta com Deus espiritualmente, não há limite de tempo. Além disso, esse empreendimento exige firmeza e determinação. Provavelmente, deve ter passado pela mente de Jacó a ideia de dar-se por vencido e de que não valia a pena.  Certamente ocorreria o mesmo a nós, se lutássemos por um período prolongado (quantas pessoas desistem apenas no começo!).

Finalmente, após um longo período de luta e esgotamento, Deus operou na vida de Jacó e o transformou para que ele pudesse receber a bênção. Jacó não voltou a ser o mesmo depois daquele encontro com Deus. Devemos esperar efeitos semelhantes, especialmente, se tivermos de receber as bênçãos mais profundas de Deus. Dito de forma bem simples, Jacó nunca teria se tornado o abençoado Israel se não tivesse lutado com Deus e resistido. A resistência, a perseverança e a dor que Jacó sofreu na luta, demonstraram a Deus, o quão importante era a Sua bênção para ele. Nós não devemos concluir que a história de Jacó em Gênesis 32 contém todas as informações sobre as bênçãos de Deus. Ela é apenas um dos muitos exemplos que vemos nas Escrituras, onde Deus operou o sofrimento como parte de um plano que visava trazer Suas bênçãos aos participantes.

Outros exemplos incluem Abraão esperando durante anos pelo herdeiro prometido, a José definhando por anos em uma prisão egípcia, a Moisés durante os quarenta anos de exílio como pastor em Midiã, a Rute colhendo nos campos, em meio à sua dor e miséria, a David ungido rei de Israel, mas forçado a retornar a pastorear ovelhas… e a lista segue e continua. Não me ocorre nenhum exemplo na Bíblia de alguém que recebeu grandes bênçãos de Deus ou foi usado tremendamente por Ele, sem lutar com a dor, com a desilusão, com o abatimento, com a solidão ou o sofrimento. Ainda que o processo seja bastante doloroso, a prova prolongada ocorre pelo expresso propósito de Deus em aperfeiçoar-nos e abençoar-nos. Termino o tópico de hoje lembrando da batalha na área da vontade. Muitos estão lutando contra a vontade do Pai, mas, nessa luta com Deus, a única maneira de ganhar é permitir que Ele vença e, assim sendo, devemos curvar-nos inteiramente à vontade Dele.

Você é alvo das bênçãos do Altíssimo, por isso não se apavore em meio à luta.

Pr. Natanael Gonçalves