Às vezes, para seguir comentando a respeito de um tema, necessitamos fazer uma pausa com implicações que trarão um benefício para o nosso entendimento. Hoje, essa necessidade se faz presente. Antes de comentar alguns textos no livro de Tiago, precisamos conhecer e levantar algumas particularidades da vida do autor. Uma vez que Tiago escreveu sobre o sofrimento e a maneira adequada que deveríamos responder a ele, é imperioso compreender um pouco mais sobre o autor do livro que leva o seu nome.

Em primeiro lugar, é bom lembrar que este Tiago, não é o irmão de João, mas o meio irmão de Jesus. Marcos 6.3, nos informa: Não é este o carpinteiro, filho de Maria irmão de Tiago, José, Judas e Simão? E não vivem aqui entre nós suas irmãs? E escandalizavam-se nele. Parece que Tiago se destacava na lista dos irmãos, posto que alguns estudiosos alegam que ele foi mencionado em primeiro lugar. Um outro detalhe exposto no versículo 21 do mesmo capítulo de Marcos, nos faz pensar: “E, quando os parentes de Jesus ouviram isto, saíram para o prender; porque diziam Está fora de si”. Imagine todo o contexto da família do Senhor. Marcos anunciou o ministério terreno de Jesus e os da sua casa saíram envergonhados a buscá-lo. Possivelmente o pai (se é que José estivesse ainda vivo) e os irmãos, incluindo Tiago, formavam a comitiva apontada por Marcos. Pense em Tiago… Deve ter sido difícil compartilhar a mesma casa, a mesa, as instalações sanitárias ou o trabalho com alguém a quem muitos chamariam de Cristo, o Filho do Deus vivo. Imagine! Foi Deus, em pessoa, que dormiu ao meu lado todos esses anos? Seria muito para que um homem simples da Galileia o compreendesse e, sem dúvida, Tiago deve ter lutado com Deus a respeito.

Nas décadas que viveu com Jesus, Tiago sabia que Ele era Único, mas…, o Messias, o prometido de Israel? Tiago seria um dos últimos a converter-se, antes da ascensão de Jesus. O mais provável é que tenha crido quando Jesus apareceu a ele pessoalmente depois que ressuscitou (1 Coríntios 15.7). Analisando todas as coisas, inclusive o contexto em que viviam, certamente não foi fácil para Tiago, visto que nenhum anjo lhe apareceu com explicações a respeito de Jesus. Pense comigo: de todos os irmãos de uma família em Israel, coube a Tiago a sorte de ser o irmão do Perfeito. Nunca antes alguém havia tido um filho como Jesus e nunca antes alguém havia tido um irmão mais velho como Ele.

Imaginemos o quanto lhe custou procurar estar à altura de seu irmão mais velho! Seria interessante saber se, alguma vez, Maria lhe perguntou: “Por que não podes ser como Jesus?” Provavelmente ela nunca perguntou isso, pois sabia que Tiago nunca poderia ser como o Salvador. Por esse tipo de pressão, ou talvez por outros motivos, Tiago não reconheceu a Jesus como as Escrituras mostravam, mas somente como seu irmão mais velho. Talvez, por esta razão, Jesus não escolheu Tiago como um dos doze. Ele não estava preparado e nem capacitado nesse momento de sua vida. Como disse, não sabemos muito, mas qualquer tipo de contato que Tiago houvera tido com Jesus durante seu ministério terreno, fica no campo da especulação, já que a primeira menção como cristão, tem lugar no livro de Atos. Por outro lado, o silêncio dos Evangelhos contribui com um aspecto curioso: Tiago esteve ausente na crucificação de Jesus. Maria estava lá, mas, Tiago não. Às portas da morte, Jesus encarregou o cuidado de sua mãe a João, o qual, por uma questão de ordem, deveria ser Tiago. Novamente afirmo que não sabemos desses detalhes, mas a dor de Maria seria tão grande que necessitaria algo mais que o apoio sustentador de um filho; necessitaria de um irmão na fé. Quando chegarmos ao céu, descobriremos onde estava Tiago quando Jesus foi crucificado.

Era páscoa e todos vinham para Jerusalém. Será que ele demorou para chegar? Ou estava sentindo um misto de tristeza e vergonha ao mesmo tempo? Possivelmente, pois seu irmão foi exposto à humilhação pública e condenado à morte de cruz. Quem sabe? Talvez Tiago tenha presenciado a crucificação e ocultou-se entre a multidão, escondendo-se até mesmo de Maria, sua mãe. Será que ele aproveitou da escuridão que envolveu a terra durante a crucificação? Não temos como saber, mas é intrigante. O que sabemos é que ele mudou para sempre, quando Jesus apareceu a ele depois de ter ressuscitado.

Ainda temos mais alguns detalhes para acrescentar antes de prosseguir, mas isso o faremos na próxima publicação. Não perca!

Que Deus abençoe o seu coração,

Pr. Natanael Gonçalves