Rogo, pois, aos presbíteros que há entre vós, eu, presbítero como eles, e testemunha dos sofrimentos de Cristo, e ainda coparticipante da glória que há de ser revelada (1 Pedro 5.1).

Já escrevi sobre os argumentos que Pedro usou para tratar do assunto das provas e aflições do cristão. Todavia, vemos agora que o apóstolo envolve a pessoa e a obra do Senhor Jesus. Ele havia presenciado diretamente os sofrimentos de Cristo (texto acima) e podia mostrar a todos que não viram o Salvador, quem era Jesus: a quem, não havendo visto, amais; no qual, não vendo agora, mas crendo, exultais com alegria indizível e cheia de glória (1 Pedro 1:8), e isso nos inclui.

Pedro sempre procurou distanciar os seus leitores de manter os olhos em seus próprios problemas, e enquanto o fazia, os dirigia a Jesus. O sofrimento traz consigo uma intensa dor e o Senhor sabia o que era isso, pois Ele mesmo o provou. O mundo é injusto, e também o foi com Ele. O Senhor conheceu o sofrimento por haver padecido e, como Deus onisciente que é, conhece nossas provas de fogo. Nós podemos clamar ao Pai, mas o Salvador o fez antes de nós, e, sendo o Cordeiro sem mancha, se submeteu totalmente a Deus. A confiança e a obediência eram a base da Sua relação com o Altíssimo e, tal como era para Ele, assim também deve ser para cada um de nós. Devemos caminhar sobre as Suas pisadas e seguir seu exemplo. Jesus é o Servo Sofredor que guarda os servos sofredores. Ponha os teus olhos n’Ele, pois Ele ama e cuida. Mantenha-se firme!

Não obstante, seguindo em frente, Pedro deu a quem sofre uma quádrupla promessa de Deus. Para aqueles, cuja esperança de resgate é falsa, com certeza lhes esperam situações de muitas angústias. Pedro, todavia, não tem esse temor. Ele expôs corajosamente a promessa de Deus: “…depois de terdes sofrido por um pouco, ele mesmo vos há de aperfeiçoar, firmar, fortificar e fundamentar” (1 Pedro 5:10). Que promessa! Em algum momento específico do futuro (depois de terdes sofrido por um pouco) Deus intervirá. Esse texto, deveria se converter em um amigo das pessoas, cuja companhia constante é o sofrimento. Deus queria que os cristãos fiéis do primeiro século conhecessem esta promessa. No entanto, atente para isto: Não somente para aqueles cristãos, mas também para todos aqueles que Lhe pertencem. Assim sendo, mantenha-se firme!

Uma vez que este versículo contém semelhante promessa acerca de uma grande obra de Deus, a resposta de muitos pode ser mais ou menos assim: “a promessa é muito boa, mas por que demora tanto? Eu creio que Ele intervirá e me resgatará. Mas, quanto tempo tenho que sofrer? Quando Deus vai atuar a meu favor?” Essas são boas perguntas, mas Deus possui melhores respostas.

Ao finalizar o post de hoje, faço uma pergunta: você se identifica com as indagações do parágrafo anterior? Talvez você esteja em meio a uma aflição muito grande e faz as mesmas perguntas que imaginamos. Considere 1 Pedro 5:10 especificamente para você. Se aproprie dessa promessa, pois o Senhor a cumprirá. Continuamos no próximo post.

Que o Senhor abençoe o seu coração,

Pr. Natanael Gonçalves