Ouça a Publicação clicando no ícone abaixo 

Alguns dizem que sentem inveja daqueles que estiveram com Jesus. Já ouviu isso? É compreensível. Quantas coisas Deus lhes permitiu ouvir, ver e viver. Jesus mesmo, fez ver aos seus discípulos que estavam em uma posição privilegiada: Pois em verdade vos digo que muitos profetas e justos desejaram ver o que vedes e não viram; e ouvir o que ouvis e não ouviram (Mateus 13:17). Pode até parecer injusto que não nos foi permitido ver a mesma glória, todavia, as Escrituras nos envolvem com a glória de Jesus e, tal como antes, a relacionam com o sofrimento. Em Romanos 8:15-18, Paulo instrui a todos nós quanto aos sofrimentos e a glória futura: 

Porque não recebestes o espírito de escravidão, para viverdes, outra vez, atemorizados, mas recebestes o espírito de adoção, baseados no qual clamamos: Aba, Pai. O próprio Espírito testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus. Ora, se somos filhos, somos também herdeiros, herdeiros de Deus e co-herdeiros com Cristo; se com ele sofremos, também com ele seremos glorificados. Porque para mim tenho por certo que os sofrimentos do tempo presente não podem ser comparados com a glória a ser revelada em nós. 

Paulo sabia exatamente do que estava falando. Ele também havia recebido uma espécie de antecipação da glória, quando foi levado ao céu (2 Coríntios 12:1-4). Esta mesma glória espera cada cristão verdadeiro. Sim, aqueles que creem que o cálice, a trilha, o presente, a surpresa, a koinonia e a bênção, conforme foi abordado aqui no estudo, valem a pena. 

Ninguém escolhe sofrer, mas ainda que seja doloroso, o sofrimento pode produzir um efeito singular. É capaz de proporcionar uma melhor perspectiva da glória de Deus, a qual, antes, não se tinha. O sofrimento pode produzir também um anelo pela Estrela resplandecente da manhã. A dor nos predispõe a buscar em outros ajuda e apoio, contudo, o Senhor deseja que a nossa busca seja dirigida a Ele. O apóstolo Pedro aconselha: … esperai inteiramente na graça que vos está sendo trazida na revelação de Jesus Cristo (1 Pedro 1:13). Jesus permanece fiel! Portanto, mantenha-se firme! 

Em Apocalipse 21.1-2, João escreve que viu um novo céu e uma nova terra e, quando isto acontecer, veja o que receberemos de Deus, conforme a promessa registrada em Apocalipse 21.3-5: 

E ouvi uma grande voz do céu, que dizia: Eis aqui o tabernáculo de Deus com os homens, pois com eles habitará, e eles serão o seu povo, e o mesmo Deus estará com eles e será o seu Deus. E Deus limpará de seus olhos toda lágrima, e não haverá mais morte, nem pranto, nem clamor, nem dor, porque já as primeiras coisas são passadas. E o que estava assentado sobre o trono disse: Eis que faço novas todas as coisas. E disse-me: Escreve, porque estas palavras são verdadeiras e fiéis. 

Esta promessa trata dos sofrimentos passados e das expectativas futuras. Para ser mais claro, estes versículos nos lembram que o nosso sofrimento é temporal, mas a glória de Deus é eterna. Um dia, Deus mesmo, Aquele que durante a nossa vida terrena, nos aperfeiçoa, nos firma, nos fortalece e nos estabelece, também nos dará completa saúde e nos renovará em glória. No céu, veremos e receberemos de forma completa aquilo que Moisés, Elias, Pedro, Tiago e João viram de maneira limitada. Depois que João descreveu da melhor forma que pôde, o céu, ele nos acrescentou: Nunca mais haverá qualquer maldição. Nela, estará o trono de Deus e do Cordeiro. Os seus servos o servirão, contemplarão a sua face, e na sua fronte está o nome dele (Apocalipse 22.3-4). 

Finalizamos este estudo com um desejo expresso e escrito: Ora vem, Senhor Jesus! Todas as promessas de Deus se cumprem em Ti. Nós O esperamos e ansiamos pela tua volta. Te amamos, e ainda mais: reconhecemos e nos maravilhamos na profundidade do Teu grande amor por nós. Vem, Estrela da Manhã! Nos unimos às hostes angelicais nos céus e proclamamos que só Tu és digno de receber glória, honra e louvor. Sim, Teu é o reino… e o poder… e, em especial, a glória para sempre. Amem! 

Pr. Natanael Gonçalves