Um presente ou uma dádiva de um pai para o seu filho, demonstra amor. Entretanto, esse pai não dá o presente para ser amado, mas ele o faz porque o amor é a base da união e relacionamento com seu filho.  Jesus reconhece isso em Mateus 7.9-11:

Ou qual dentre vós é o homem que, se porventura o filho lhe pedir pão, lhe dará pedra? Ou, se lhe pedir um peixe, lhe dará uma cobra? Ora, se vós, que sois maus, sabeis dar boas dádivas aos vossos filhos, quanto mais vosso Pai, que está nos céus, dará boas coisas aos que lhe pedirem?

Um presente é especial quando provém de uma relação de amor com o pai. No texto, Jesus demonstra que a perspectiva de um pai amoroso que dá bons presentes ao seu filho, não é estranha ao Pai Celestial. Deus é, por natureza, um que Deus que dá. O Novo Testamento usa várias palavras para definir o conceito de dar, mas uma em particular, descreve o tipo de dádiva ou presente que, frequentemente, se associa com Deus. A palavra “charizomai” significa “dar com graça” ou “mostrar favor ou bondade”. Esse termo grego é usado nas Escrituras para as promessas de graça que Deus fez a Abraão (Gálatas 3.18), a Jesus dando vista a muitos cegos (Lucas 7.21), e também ao perdão dado a quem não podia cancelar suas dívidas de nenhuma outra maneira (Lucas 7.42). A palavra “charizomai” também aparece repetidamente em referência aos elementos vitais da salvação por graça, que é dádiva de Deus. Talvez nenhum outro versículo demonstre melhor isto do que Romanos 8.32:

Aquele que não poupou o seu próprio Filho, antes, por todos nós o entregou, porventura, não nos dará graciosamente com ele todas as coisas?

Paulo também a utilizou ao descrever que Deus dá o Seu Espírito Santo… “para que conheçamos o que por Deus foi dado gratuitamente” (1 Coríntios 2.12). Até os dons espirituais são, por definição, “dons de graça” (Romanos 12.6). As Escrituras também registram outro presente da graça, dado por Deus. No entanto, esse presente, ninguém pede ou demanda por ele. Preste atenção: quando Deus dá esse presente a outros, ninguém sente uma espécie de “inveja” por não ter recebido, nem espera ansiosamente a sua chegada. Do que se trata? Continuamos para poder descobrir.

Em uma das frases mais intrigantes da Bíblia, Paulo escreveu aos filipenses a respeito dessa dádiva: “Porque vos foi concedida (charizomai) a graça de padecerdes por Cristo e não somente de crerdes nele” (Filipenses 1.29). Paulo utilizou a mesma palavra para a dádiva do sofrimento. Recebemos com um coração alegre e testemunhamos as bênçãos e promessas que Deus nos concedeu, no entanto, quanto ao “presente” do sofrimento, não o pedimos, como também não queremos que “se nos dê” o “padecer” (sofrer) por Cristo. Que presente!!! Se Deus nos desse o sofrimento, com todo gosto o devolveríamos e o trocaríamos por aquilo que realmente desejamos. Não é exatamente isso que muitos estão fazendo? Sofrimento… quem deseja?

Continuamos no próximo tópico, antes, porém, ponha uma coisa no seu coração: Paulo está falando do sofrer por Cristo, ou sofrer como cristão. Não deixe de ler a sequência, pois o seu coração será abençoado com uma outra perspectiva sobre o tema.

Que o Senhor te abençoe ricamente,

Pr. Natanael Gonçalves