Amados, não estranheis o fogo ardente que surge no meio de vós, destinado a provar-vos, como se alguma coisa extraordinária vos estivesse acontecendo (1Pedro 4.12).

Quando Pedro escreveu este texto no qual faz referência às provas suportadas por seus leitores, usou uma das palavras gregas que, em geral, se traduz como “provas” ou “avaliação”. Há, todavia, no Novo Testamento duas palavras usadas para “prova”: peirasmos e dokimos. Ambas podem ser acompanhadas de sofrimento. Segundo os linguistas, dokimos carrega o sentido da prova, cujo objetivo é mostrar o valor ou qualidade da coisa posta à prova. Peirasmos, no entanto, faz referência às tentações ou provas com intento de fazer fracassar ou de destruir. O diabo e os adversários de Jesus se mostram como agentes relacionados a essas provas e, tais, não eram originadas por Deus. As pessoas, às vezes, pensam que Jesus estava no piloto automático espiritualmente falando e que para Ele, era fácil responder à tentação.  Na realidade, Hebreus 2.18 destaca exatamente o contrário: “Pois, naquilo que ele mesmo sofreu, tendo sido tentado (uma forma verbal de peirasmos), é poderoso para socorrer os que são tentados [peirasmos]”. Como Deus formou o “Messias?” Umas das maneiras que Ele escolheu, foi permitir que Jesus sofresse por meio das tentações. Note: tudo o que Satanás pôde fazer para afligir o Senhor Jesus, ele o fez, mas o Salvador permaneceu sem pecado. Muitos dizem: “Jesus não sabe o quão terrível é o que estou passando”. Em verdade, deveriam saber que Jesus passou por uma situação muito pior que qualquer outra pessoa, pois Ele experimentou todo o peso da prova satânica. 

Por outro lado, Deus nos protege firmemente. Paulo, 1 Coríntios 10.13 nos assegura: Não vos sobreveio tentação [peirasmos] que não fosse humana; mas Deus é fiel e não permitirá que sejais tentados [peirasmos] além das vossas forças; pelo contrário, juntamente com a tentação [peirasmos], vos proverá livramento, de sorte que a possais suportar. Ainda que as nossas provas sejam extremamente complicadas e duras, Deus sabe o quanto cada um de nós pode suportar, e Ele não permitirá que esse limite seja ultrapassado. Mas, saiba:  Deus não pôs tais restrições sobre Jesus, de modo que Satanás tinha liberdade para verter todo tipo de prova sobre o nosso Salvador. A dor foi um aspecto necessário para preparar a Jesus como Sumo Sacerdote. Veja que interessante a afirmação de Hebreus 5.8: “embora sendo Filho, aprendeu a obediência pelas coisas que sofreu”.  Grande parte de seu sofrimento foi resultado das provas peirasmos com as quais se deparou.

Desde o princípio se questiona a origem do mal, como também se pergunta: por que sofre o justo? Nas Escrituras, Deus revela alguns aspectos da natureza e da razão de alguns dos nossos sofrimentos, quando observarmos o uso do termo peirasmos. Satanás possui ódio contra Deus e seus filhos. Se você pertence ao rebanho do Senhor, então, você possui um inimigo. Pedro recorda aos seus leitores sobre isso, ao afirmar que Satanás de modo ativo e constante anda em derredor, buscando a quem possa tragar” (1 Pedro 5.8). No verso seguinte, o apóstolo mostra o sofrimento dos cristãos fiéis em todo o mundo, provendo a informação de que o sofrimento procede do diabo: “ao qual resisti firmes na fé, sabendo que as mesmas aflições se cumprem entre os vossos irmãos no mundo” (1 Pedro 5:9). O cristão precisa estar consciente de que a guerra não se acalmou desde que Pedro escreveu sobre esse tema, pois Satanás ainda causa dor aos filhos de Deus em todo o mundo.

Finalizo por hoje, mas quero destacar algumas coisas: nenhum filho de Deus deve se amedrontar diante dessas verdades bíblicas. Eles possuem um inimigo em comum, mas Deus disponibilizou armas para todos com o objetivo de lutarem no combate contra o mal (Efésios 6.10-18). Além das armas, devemos recordar que possuímos as promessas de Deus. E, assim sendo: Fique firme!!!  Continuamos no próximo post…

Que o Senhor de toda a glória te abençoe e te ilumine,

Pr. Natanael Gonçalves